Rumsfeld pede paciência aos críticos do processo de reconstrução do Iraque

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado segunda-feira, 30 de junho de 2003 as 18:43, por: cdb

O secretário da Defesa americano, Donald Rumsfeld, negou-se nesta segunda-feira a qualificar de “estagnada” a situação do exército dos Estados Unidos no Iraque e pediu paciência aos críticos do processo de pacificação e reconstrução.

Segundo Rumsfeld, os Estados Unidos estão incentivando a OTAN a comprometer-se mais no Iraque e a ajudar a Polônia, que vai administrar um setor militar de 80.000 km2, entre Basra e Bagdá.

Em entrevista à imprensa, o secretário da Defesa disse também que outras nações estão se preparando para enviar membros para a manutenção da paz, num momento em que as forças americanas iniciaram um novo esforço para enfrentar a resistência iraquiana.

Em relação às críticas que afirmam que os Estados Unidos estão “estagnados” no Iraque, Rumsfeld respondeu:

– Não é essa palavra. Na minha opinião, estamos em guerra. Estamos em guerra mundial contra o terrorismo, e há gente que não está de acordo com isto.

O secretário respondeu às críticas de parlamentares americanos que dizem que o Pentágono não fez o suficiente para motivar outros países a compartilharem a carga dos esforços de reconstrução.

– Temos estado em discussões com mais de 20 nações para saber como fornecerão sua ajuda. Não sei como internacionalizar mais (esforços) que isso – disse Rumsfeld.

São esperados no Iraque para o final do verão (boreal) 9.200 soldados de 15 países como parte de uma estratégia para aumentar os 150.000 integrantes do exército dos Estados Unidos e os 12.000 britânicos que estão no local atualmente.

Outros países também estão considerando a possibilidade de enviar tropas.

Vários senadores americanos declararam nos últimos dias que Washington deveria aceitar a ajuda oferecida por todos os aliados no Iraque, inclusive dos países da OTAN que se opuseram à guerra, porque as tarefas de reconstrução e de restabelecimento da ordem são intermináveis.

– Necessitamos que o mundo se comprometa no Iraque. A reconstrução vai exigir o compromisso a longo prazo dos Estados Unidos e penso que deveríamos aceitar a participação de várias nações – declarou domingo o chefe da maioria republicana do Senado, Bill Frist.

Joseph Biden, democrata influente na Comissão de Relações Exteriores do Senado, insistiu no mesmo dia sobre a importância para os Estados Unidos de aceitar a assistência de todos os membros da OTAN.