Rumsfeld nega que tenha acelerado início da guerra

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado domingo, 30 de março de 2003 as 12:53, por: cdb

O secretário de Defesa americano, Donald Rumsfeld, negou neste domingo que tenha “passado por cima” de planos militares em relação à guerra no Iraque.

Em um artigo publicado na prestigiada revista New Yorker, fontes do Pentágono alegam que Rumsfeld teria ignorado militares na decisão de como e quando atacar o Iraque – e não teria ouvido o general Tommy Franks.

Segundo a revista, Franks queria adiar a guerra quando soube que a Turquia não havia autorizado o uso de suas bases.

“Nada disso é verdade. Pergunte para qualquer integrante do Comando Central dos Estados Unidos e eles dirão que tudo ocorreu de acordo com as sugestões deles”, declarou Rumsfeld em uma entrevista à rede de TV americana Fox News.

Papa

A declaração de Rumsfeld acontece em um momento no qual protestos contra a guerra ganham força no mundo.

Neste domingo, pelo menos 100 mil pessoas tomaram as ruas de Jacarta, na Indonésia, para protestar contra a guerra no Iraque. A Indonésia é a nação muçulmana mais populosa do mundo.

Protestos também aconteceram em Washington, Santiago, Cidade do México, Montevidéu, Caracas, Roma, Berlim, Paris e Budapeste e em Peshawar, no Paquistão.

Milhares de pessoas também foram às ruas em Pequim, no primeiro protesto contra a guerra na China.

Em todos os protestos, o presidente americano, George W. Bush, era o alvo principal.

No Vaticano, o papa João Paulo II fez um apelo pelo fim da guerra no Iraque. Segundo o papa, o conflito está “minguando a esperança da humanidade por um futuro melhor”.

No sábado, João Paulo II havia dito que tinha medo de que a guerra provocasse uma “catástrofe religiosa no mundo”.