Ronaldo esquece a má fase e parte para Copa em alto astral

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado domingo, 26 de março de 2006 as 17:12, por: cdb

Depois de passar um fim de semana mais tranqüilo, depois de marcar contra o La Coruña, o artilheiro Ronaldo só pensa agora em voltar a sua melhor forma. Em conversa com jornalistas, neste domingo, o atacante garante que está com fome de bola e quer mostrar seu melhor futebol na próxima Copa.

– Sinto que tive um ano complicado, mas agora estou com a mesma vontade – disse ele à agência de notícias do diário paulista Estado de S. Paulo.

Ronaldo negou estar gordo ou lento e afirma que sua temporada foi atrapalhada pelas lesões e pela queda de rendimento de todo o time. Ele não poupou críticas à torcida espanhola pela falta de respeito e incentivo. Ele também apostou que Ronaldinho Gaúcho tem tudo para brilhar na Alemanha. Ele colocou panos quentes na discussão pela mídia com o ex-jogador Pelé e lembrou que, por ser um ídolo do futebol mundial, tem sempre gente falando demais sobre sua vida pessoal.

– É assim desde sempre. Para o bem e para o mal, tudo que acontece comigo toma uma dimensão muito grande, ganha muita repercussão. Fico chateado comigo mesmo, desapontado comigo mesmo, não com os outros. Quero fazer tudo bem e às vezes não dá certo. Sei que milhões falam coisas boas, assim como milhões falam besteiras. Até brinco com isso. Claro que algumas distorções aborrecem, mas não perco meu sono. Já tive secas piores. Infelizmente muitos jornalistas não usam critérios técnicos, fazem crítica pela crítica.

O atacante do Real Madri também negou que esteja acima do peso.

– Meu índice de gordura sempre oscilou entre 9,5% e 10% e é esse no momento. Meu peso, 87 kg, os médicos consideram adequado para mim e é o mesmo da Copa de 2002. Sou um jogador de muita velocidade (Ronaldo faz 40 metros em 3,4 segundos), mas não de muita resistência. É claro que não me movimento como nos tempos do Barcelona, que é a imagem que as pessoas têm na cabeça. Meu corpo mudou, estou mais forte, meu pescoço está mais grosso. Mas não estou gordo. Eu cuido muito do meu corpo. Ele é a minha vida. Fiz uma ótima pré-temporada com o Luxemburgo, tanto que fiz 8 gols em 7 jogos. Mas tive três ou quatro lesões em seguida, não por falta de cuidado, mas porque é do futebol. Foi a primeira vez que tive lesão no tornozelo, e ela é complicada porque deixa seqüelas; fiquei dois meses com dor. Precisei recuperar o ritmo jogando – defende-se.

Sobre seu rendimento, Ronaldo acredita que não apenas ele, mas todo o time do Real Madri caiu de rendimento. Sua média de gols por partida até chegar à Itália em 1997 era 0,9. Lá passou para 0,75, que foi justamente a que você teve nos dois primeiros anos de Real Madrid (2003-2004). Nestas duas últimas temporadas, caiu para 0,58:

– Meu rendimento depende do rendimento do time. O time caiu de produção, eu caí junto. Ninguém ganha sozinho, isso não existe e nunca existiu. Não vou ser protagonista em toda partida. Mas não me sinto nada decadente. Continuo sentindo muito prazer em jogar, entro com tesão em cada partida. Agora estou em forma de novo e minha explosão é a mesma. Temos ainda nove partidas e quero fazer muitos gols.