Ronaldo é o melhor do mundo

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado terça-feira, 17 de dezembro de 2002 as 23:02, por: cdb

Deu a lógica. A Fifa anunciou na tarde desta terça-feira, em cerimônia realizada na cidade espanhola de Madri, que o atacante Ronaldo, estrela da seleção brasileira e do Real Madrid, conquistou pela terceira vez o prêmio de melhor jogador de 2002.

Na eleição realizada entre 148 técnicos de seleções nacionais, Ronaldo recebeu 387 votos, deixando para trás o goleiro Oliver Kahn, com 171 votos, e o francês Zidane, com 148 votos. Roberto Carlos teve 114 votos, enquanto Rivaldo teve 92.

Nas últimas semanas o brasileiro se especializou em colecionar prêmios. Ronaldo ganhou a cobiçada Bola de Ouro, entregue pela revista francesa “France Football” ao melhor jogador europeu do ano. O atacante ainda recebeu honrarias da BBC e do Comitê Olímpico Brasileiro (COB), entre outras.

“Graças a Deus tudo aconteceu como sonhava e esperava. Estamos fechando um ano maravilhoso, com troféus e títulos muito importantes”, disse o brasileiro.

O único prêmio importante que Ronaldo não ganhou em 2002 foi a Bola de Ouro dada pela Fifa ao melhor jogador da Copa do Mundo (o prêmio foi para o goleiro alemão Oliver Kahn). Ronaldo teve que se contentar com a Bola de Prata (de segundo melhor jogador do torneio) e a Chuteira de Ouro (entregue ao artilheiro).

“Ronaldo encarou de frente a adversidade e recuperou o seu nível. Sempre disse que ele era o melhor do mundo e agora está voltando a ser o que pensava dele”, disse Zidane.

Céu e inferno
O ano de 2002 mostrou o inferno e o céu para Ronaldo. O atacante começou a temporada desprestigiado. Em fase final de recuperação da grave lesão sofrida no joelho, Ronaldo teve que driblar as dúvidas daqueles que achavam que ele estava acabado para o futebol.

“Foram duas temporadas muito difíceis, com muitas lesões, dúvidas e incertezas. Não sabia sequer se ia voltar a jogar”, disse Ronaldo sobre o período em que ficou afastado dos gramados.

O técnico da seleção brasileira, Luiz Felipe Scolari, apostou no potencial do “Fenômeno” e o convocou para a Copa do Mundo, mesmo com Ronaldo amargando largos períodos na reserva da Inter de Milão.

No Mundial, o craque ressurgiu. Ronaldo jogou como nunca e comandou a conquista do pentacampeonato pela seleção brasileira. Ele terminou o torneio como o artilheiro, com oito gols -dois deles marcados na final contra a Alemanha.

Depois da Copa, Ronaldo se envolveu numa conturbada transferência. Irritado com o técnico argentino Héctor Cúper, que várias vezes o barrou na Inter de Milão, ele deixou a equipe italiana para ir jogar no Real Madrid, ao lado de estrelas do quilate de Figo, Zidane, Roberto Carlos e Raúl.

Logo na estréia, contra o Alavés, Ronaldo marcou dois gols. Mas o atacante passou por um período ruim e ficou várias partidas sem balançar as redes. A redenção aconteceu justamente no local mais importante visitado por Ronaldo em 2002: o Yokohama Stadium, palco da final da Copa do Mundo.

Na decisão do Mundial Interclubes, no Japão, Ronaldo voltou a apresentar um futebol magnífico e comandou o Real Madrid na vitória de 2 a 0 sobre o Olimpia, marcando inclusive um dos gols. De novo o Fenômeno se sagrava campeão do mundo. Então nada mais justo ser escolhido o melhor jogador de 2002.