Robinho é a esperança do Santos na Libetadores

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado terça-feira, 11 de março de 2003 as 16:26, por: cdb

O futebol moleque de Robinho será mais do que nunca importante a partir das 21h40 desta quarta-feira, quando o Santos enfrenta o El Nacional, no estádio Atahualpa, em Quito (Equador), na sua terceira partida pela primeira fase da Taça Libertadores da América.

Além de passar pelos adversários e transpor a forte marcação, o camisa 7 será a válvula de escape santista para a falta de ritmo de jogo. Isto é, os dribles do atacante terão também que substituir as jogadas de uma equipe que não entra em campo há vinte dias.

A última aparição santista nos gramados foi no dia 20 do mês passado, pela mesma competição latina. Naquele dia, os brasileiros bateram o paraguaio 12 de Outubro, na Vila Belmiro, por 3 x 1.

Aquela foi a segunda vitória alvinegra na competição. Ela veio após a goleada de 5 x 1 na estréia, sobre o América de Cali, fora de casa e começou a dar ao Santos o status de um time que se classificaria com facilidade.

Hoje, a equipe de Emerson Leão é a líder do grupo 3, com seis pontos, enquanto a adversário desta quarta é o lanterna, com um. Em caso de vitória nesta terceira partida, os números podem levar o Santos antecipadamente às oitavas-de-final da Libertadores.

E foi justamente na estréia que Robinho, a esperança em Quito, começou a brilhar na América. É pesando naquele jogo – quando ele deu chapéus, elásticos e saiu de campo aplaudido pelo adversário – que o atacante entrará no gramado.

O franzino atacante, inclusive, já anunciou: “Vou jogar lá da maneira que seu sempre fiz. Com ousadia, velocidade e procurando o gol sempre. Sei que a marcação será forte, mas vou superar isso”.

No Equador, o garoto de 18 anos terá outro motivo para desenvolver seu futebol além de usar suas “firulas” para dar ritmo ao Santos. Ele ainda não marcou gols nesta temporada e já confessou que o jejum o incomoda.

Se por um lado, driblando, ele dará uma força aos companheiros, por outro será ajudado por Diego e Ricardo Oliveira para vencer o líder do Campeonato Equatoriano, com seis pontos em dois jogos. Nesta semana, o meia e o atacante fizeram um pacto: tentarão dar a Robinho seu primeiro gol no ano.

Enquanto o camisa 10 também tentará repetir a boa atuação da estréia, quando marcou até um gol, Oliveira tem a segurança da Justiça para jogar tranqüilo. Nesta terça-feira, o Tribunal Regional do Trabalho adiou a audiência que sentenciaria o seu caso junto à Portuguesa, possibilitando ao atacante ser escalado.

Se o artilheiro está liberado, o zagueiro André Luís permanece afastado do grupo. Ele não viajou para Quito para dar seqüência a um tratamento intensivo em uma contusão muscular na coxa esquerda. Preto ganhará a vaga, assim como Reginaldo Araújo, que recebe mais uma oportunidade de Leão na lateral-direita.

EL NACIONAL x SANTOS

Data: 12/3/2003 (Quarta-feira)
Local: Estádio Olímpico Atahualpa, em Quito (Equador)
Horário: 21h40 (19h40 local)
Árbitro: Gilberto Hidalgo (Peru)
Auxiliares: Manuel Garay e Jorge Jaimes (Peru)
Transmissão: Globo

El Nacional
Giovanny Ibarra; Kléber Corozo (Omar De Jesús), Franklin Corozo, Jorge Guagua e Luis Checa; Juan Carlos Burbano, David Quiróz, Edison Méndez e Kléber Chalá; Angel Fernández e Carlos Gruezo
Técnico: Paulo Massa

Santos
Fábio Costa; Reginaldo Araújo, Preto, Alex e Léo; Paulo Almeida, Renato, Elano e Diego; Robinho e Ricardo Oliveira
Técnico: Emerson Leão