Rivaldo diz que não é salvador da pátria

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado terça-feira, 14 de agosto de 2001 as 19:46, por: cdb

Rivaldo voltou nesta terça-feira a advertir os que o consideram como o único capaz de levar a seleção à vitória, na partida de amanhã à noite, contra o Paraguai. Sempre atencioso, reclamou da cobrança e tratou de tentar dividir as responsabilidades. “Aqui tem muita gente experiente e quem chega à seleção está preparado para tudo”, comentou.

“Não existe esse negócio de ‘salvador da pátria’, o time do Brasil é uma equipe.” Apesar das observações, ele sabe que, na ausência de Romário, torna-se a grande referência da atual seleção. “Todos me cercam, eu gosto disso”, admitiu. O artilheiro do Barcelona disse que serão precisos solidariedade e muita aplicação tática do Brasil para derrotar o Paraguai. “Nossos adversários são os vice-líderes das eliminatórias, não tem essa de jogo fácil.” Esse vaivém na seleção, como o “iluminado” que pode resolver tudo, já trouxe vários problemas para Rivaldo. Na Olimpíada de 1996, errou num lance crucial da semifinal contra a Nigéria, o Brasil foi eliminado e o jogador acabou apelidado de ‘azarado’.

Na Copa do Mundo de 1998, após o corte de Romário, tentou se impor à sombra do ex-melhor atacante do mundo Ronaldo e até que fez boas atuações. Mas, na final com a França, praticamente sumiu em campo.

Wanderley Luxemburgo cogitou de convocá-lo para os Jogos de Sydney. Porém, o então treinador da seleção recuou. Nas eliminatórias, Rivaldo compôs a lista dos relacionados quase sempre como o principal nome da seleção. Mas deixou a desejar.