Ritmo de queda da Selic será mais lento, acredita Loyola

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado quinta-feira, 20 de novembro de 2003 as 21:12, por: cdb

O economista e o ex-presidente do Banco Central Gustavo Loyola acredita que o Banco Central deve dar continuidade à trajetória de queda dos juros nos próximos meses. Ele frisou, entretanto, que o ritmo de queda deverá ser “mais lento”.

Loyola disse que a taxa de juros real hoje está na casa dos 10,5% ao ano, nível ainda elevado. Segundo ele, esse percentual pode chegar à casa dos 8,5% a 9% anuais.

– O que significa que existe ainda uma folga para queda de 2 pontos percentuais ao longo dos próximos meses, sem um risco grande de inflação – disse.

Na avaliação do economista, o país pode chegar ao final do primeiro semestre de 2004 com uma taxa nominal entre 15,5% e 16%. Segundo Loyola, a autoridade monetária deverá concentrar os cortes do juro no primeiro semestre de 2004.

– Já que você tem espaço para derrubar essa taxa, você distribui essa queda ao longo do primeiro semestre. Não haveria necessidade de ficar distribuindo ao longo do ano todo – disse.

Gustavo Loyola participará, em instantes, do seminário “A importância do setor imobiliário para o processo de desenvolvimento econômico”, realizado em São Paulo.