Riopol começa a produzir com atraso de meses

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado quarta-feira, 30 de novembro de 2005 as 13:35, por: cdb

Com atraso de alguns meses, a Rio Polímeros (Riopol) iniciou a produção comercial de resinas de polietileno, com capacidade de 270 mil toneladas por ano.

– Já foram produzidas cerca de 1 mil toneladas de polietileno e a primeira venda da empresa, de 50 toneladas da resina, foi realizada para um fabricante de filmes no Estado de São Paulo – informou em comunicado nesta quarta-feira a Suzano Petroquímica, acionista da Riopol.

Segundo a Suzano, na semana que vem deverá entrar em operação a segunda linha de produção, com capacidade para outras 270 mil toneladas de polietileno. Com investimento total de mais de US$ 1 bilhão, o plano original previa que a Riopol iniciasse atividades no segundo trimestre de 2005. A operação começou em agosto e os meses seguintes foram para estabilização da fábrica, que iniciou produção comercial na semana passada.

Suzano Petroquímica e Unipar têm 33,3% da Riopol cada, com o restante dividido igualmente por Petroquisa e pelo braço de participações do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), de acordo com informações no site da Riopol.

– A Suzano Petroquímica acredita que as dificuldades enfrentadas no início da operação da Riopol foram superadas e que suas atividades deverão prosseguir em ritmo normal daqui por diante – comentou a Suzano, que espera atingir em 2006 produção de 460 mil toneladas na planta da Riopol.

Executivos da indústria petroquímica acreditam que a entrada da Riopol poderá pressionar para baixo os preços de polietileno no mercado interno, devido ao aumento da oferta do produto. Recentemente, o presidente da Braskem, José Carlos Grubisich, disse que não espera oscilações relevantes até o final de 2005. A Riopol é o maior empreendimento gás-químico da América Latina e está instalada perto da Refinaria Duque de Caxias (Reduc), na cidade de Duque de Caxias, no Rio de Janeiro.