Rio perde a refinaria para Pernambuco

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado segunda-feira, 14 de fevereiro de 2005 as 12:28, por: cdb

Ministra de Minas e Energia, Dilma Rousseff divulgou nesta segunda-feira, durante visita a Caracas na comitiva presidencial, que o local escolhido para a nova refinaria da Petrobras será Pernambuco, ao invés do Rio de Janeiro, embora o Estado tenha lançado, há mais de um ano, a campanha “A Refinaria é Nossa”. A instalação será batizada com o nome do general Abreu Lima, pernambucano que integrou as tropas de Simon Bolívar. O custo da obras será de cerca de US$ 2 bilhões e terá parte dos investimentos realizados pela estatal venezuelana PDVSA.

A refinaria terá capacidade para processar de 150 mil a 200 mil barris de petróleo/dia. O protocolo de intenções entre representantes da Petrobras e da PDVSA para a construção do projeto foi assinado nesta segunda-feira, em Caracas. Ainda nesta viagem oficial à Venezuela, serão assinados outros protocolos na área petrolífera, com a  exploração e produção de petróleo, na Venezuela, em parceria com a PDVSA. Uma fábrica de fertilizantes; intercâmbio tecnológico e transferência de tecnologia do Brasil para a produção de etanol e biodiesel também constam da agenda dos dois países.

A Petrobras também vai garantir, por meio de um outro protocolo, assinado em Caracas, a construção de uma lubrificantes em Cuba, construída em parceria com a PDVSA e a estatal cubana Cupet. O destino da produção será para o consumo interno da Ilha e a exportação para países vizinhos no Caribe. Presidente da Petrobras, José Eduardo Dutra explicou, durante entrevista coletiva em Caracas, que a construção da fábrica ainda depende de uma adequação das leis cubans, que determinam o mínimo de 50% de participação de Cuba na composição societária de empresas que operam no país, enquanto a Petrobras e a PDVSA querem, cada uma, para entrar no negócio, controlar um terço do investimento.

Ainda segundo Eduardo Dutra, a fábrica exigirá investimentos de no máximo US$ 20 milhões.

– A Petrobrás já estudou o mercado cubano e concluiu que o negócio é viável – garantiu.