Rio 2016: COI visita obras da linha 4 do metrô

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado sexta-feira, 31 de dezembro de 2010 as 10:39, por: cdb
"Tudo está sendo muito bem estudado e a engenharia nacional já mostrou que domina completamente esta tecnologia.", garantiu Júlio Lopes, secretário de transportes
"Tudo está sendo muito bem estudado e a engenharia nacional já mostrou que domina completamente esta tecnologia.", garantiu Júlio Lopes, secretário de transportes

Acompanhado do vice-governador Luiz Fernando Pezão, da secretária de Turismo, Esporte e Lazer, Márcia Lins, do prefeito do Rio, Eduardo Paes, e do presidente do Comitê Olímpico Brasileiro (COI), Jacques Rogge, e do Comitê Rio 2016, Carlos Nuzman, o secretário de Transportes, Julio Lopes, fez nesta quinta-feira, uma apresentação do projeto, em inglês, para os membros do COI e, em seguida, exibiu um vídeo com imagens projetadas da via e de outras ações governamentais na área de transportes sobre trilhos. Também estavam presentes o diretor do COI para Jogos Olímpicos, Gilbert Felli, e a presidente da Comissão de Coordenação do COI para as Olimpíadas de 2016, Nawal Al Mutawakel

Nas Olimpíadas de 2016, o metrô será uma opção de locomoção para as pessoas que quiserem assistir a competições olímpicas na Barra da Tijuca ou se deslocar deste bairro para outros locais da disputa internacional. Pelos planos do governo do estado, a Linha 4 estará pronta em 15 de dezembro de 2015, portanto um semestre antes dos Jogos Olímpicos, o que será um tempo suficiente para a realização dos testes necessários antes de entrar em operação efetiva. A primeira etapa da construção da linha, o túnel de serviços, terminou no dia 21 deste mês e, em 3 de janeiro, começa a perfuração do túnel por onde o metrô passará. O cronograma está adiantado um mês devido ao ritmo acelerado das obras.

Lopes disse que a obra da Linha 4, embora complexa, não corre risco de sofrer atraso de cronograma. Ele admite que a característica geológica do trajeto, em especial o da Zona Sul, cuja área, entre Ipanema e Gávea, situa-se entre a Lagoa Rodrigo de Freitas e o mar, exigirá uma sofisticação tecnológica para a execução da obra, devido à pressão da água, cujo desafio, em sua opinião, o consórcio de construtoras responsável está capacitado para vencer.

– Tudo está sendo muito bem estudado e a engenharia nacional já mostrou que domina completamente esta tecnologia. Portanto, seremos capazes de entregar a obra rigorosamente na data marcada, como fizemos em General Osório, quando não houve atraso nem de uma hora do previsto -, apostou.

Também não faltarão recursos, garantiu Lopes. O governo do estado já disponibilizou no orçamento de 2011 cerca de R$ 350 milhões, podendo chegar a R$ 500 milhões, para o projeto e, a cada ano, novos recursos serão alocados para terminar a obra no prazo. O secretário disse que a obra avançará nesta etapa inicial cerca de cinco a sete metros por dia no sentido Barra-São Conrado, mas o ritmo aumentará com a abertura de outra frente de escavação, esta de São Conrado em direção à Barra. Em São Conrado, onde haverá uma estação, a implantação de canteiros de obras já começou e no dia 24 de janeiro será aberta a licitação para empresas interessadas em realizar o estudo de impacto ambiental do trecho entre Gávea e Ipanema.

“Quando chegarmos na Zona Sul, a perfuração de túnel será em média 25 metros por dia, porque empregaremos lá um equipamento mais avançado, capaz de fazer a perfuração com a concretação do túnel no mesmo dia”, detalhou.

Se o metrô será um serviço que vai trazer facilidade de deslocamento para quem for assistir aos Jogos Olímpicos, também, e principalmente, beneficiará quem mora e quem visita a Barra. Hoje em dia, transitar da Barra para a Zona Sul e o Centro da cidade, nas horas de rush, é estressante e demorado – às vezes, dura até duas horas – por causa dos engarrafamentos nas vias rodoviárias de ligação.

Por isso, o governador Sérgio Cabral decidiu priorizar a construção da Linha 4, que não estava inclusa no caderno de candidatura da cidade aos Jogos de 2016. O governador argumentou que implantá-la era imperioso para o dia a dia da própria cidade, embora a competição vá se beneficiar dela, é claro.

E mais: a nova linha não beneficiará apenas quem mora ou trabalha na Barra e no Recreio dos Bandeirantes. Com o TransOeste, corredor expresso para ônibus articulados, que ligará a Barra a Campo Grande, também na Zona Oeste da cidade, que está sendo implantado pela Prefeitura do Rio, os moradores de todos os bairros do trecho poderão fazer a integração direta com o metrô.

Com a extensão até a Barra, o sistema metroviário do Rio terá capacidade para transportar mais 230 mil passageiros diariamente. Agradecem essas pessoas que deixarão de se estressar no ir e vir e agradece a natureza, livre de milhares de veículos que deixarão de circular poluindo o ar. E agradecem os turistas, porque, além da facilidade de deslocamento que o metrô permite, terão uma viagem belíssima, passando por cartões postais cariocas, como Ipanema, Leblon, Gávea, São Conrado, desembocando, 12 metros acima do chão, na Barra da Tijuca, antes de mergulhar na estação do Jardim Oceânico, depois de cruzar o Canal de Marapendi sobre uma ponte pencil, moderna e raiada. Será uma bela visão da Barra para os passageiros.

A Linha 4 terá seis estações: Jardim Oceânico, São Conrado, Gávea, Praça Antero de Quental, Jardim de Alah e Nossa Senhora da Paz, ligando-se com a Linha 1 na General Osório, que completou em dezembro um ano de funcionamento. “A pessoa poderá sair de Jardim Oceânico e chegar ao Centro do Rio em menos de 45 minutos”, projetou o secretário de Transportes.