Richa assume no Paraná prometendo reforma administrativa e forte ajuste fiscal

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado sábado, 1 de janeiro de 2011 as 15:05, por: cdb

Curitiba – Beto Richa, do PSDB, assumiu hoje (1º) o governo do Paraná afirmando que seu compromisso é recolocar o estado no rumo correto do desenvolvimento, com ética, respeito e transparência. Disse que vai governar sem privilégios ou medidas que não estejam comprometidas com a criação de empregos, aumento da produção e a consequente geração de tributos. E avisou que fará um “forte ajuste fiscal” e uma reforma na máquina administrativa.

A baixa capacidade de investimentos e os elevados gastos do governo paranaense foram apontados pelo governador como herança que gostaria de não ter recebido. E avisou que serão exigidos sacrifícios desde o primeiro dia de trabalho.

“A reforma da máquina pública é uma prioridade administrativa inadiável. Vamos recuperar a capacidade do estado de investir no seu desenvolvimento, começando com um forte ajuste fiscal e uma firme redução de despesas de custeio, que já fixamos em, no mínimo, 15% dos gastos, sem que isso afete áreas essenciais, como saúde, educação e segurança pública. O Paraná exige o corte de desperdícios para ter serviços públicos de melhor qualidade” disse Richa, no primeiro discurso como governador.

Diagnóstico da situação financeira e do Orçamento para 2011, entregues ao governador eleito pela equipe de transição, prevê um déficit de R$ 1,5 bilhão nas contas do estado este ano. De acordo com a Lei do Orçamento para 2011, sancionada no fim de dezembro, Beto Richa assume o estado com R$ 29 bilhões para custeio da máquina pública.

O governador e o vice, Flávio Arns (PSDB), prestaram compromisso constitucional e assinaram os termos de posse no mandato de quatro anos, na Assembleia Legislativa do Paraná.

Richa detalhou as diretrizes do programa de governo e se comprometeu a cumprir todos os compromissos de campanha , período que, segundo ele, conheceu melhor o estado e suas dificuldades. “Em todas as regiões, encontrei famílias desesperadas com a falta de cuidados básicos”, disse o governador, ressaltando que se envergonha de assumir um estado que ainda tem 296 municípios com Índice de Desenvolvimento Humano abaixo da média brasileira.

Segundo Richa, o Paraná precisa com urgência recuperar a credibilidade e o respeito que já mereceu no Brasil e no exterior. Adiantou que as primeiras medidas nesse sentido já estão delineadas e serão implantadas antes mesmo dos contratos de gestão, que fixam metas com base no plano de governo.

Após a solenidade na Assembleia Legislativa, Richa e Arns foram para o Palácio Iguaçu, sede do Executivo paranaense. Ao deixar o cargo, o ex-governador Orlando Pessuti disse, em discurso, que entrega o estado em condições bem melhores do que recebeu em abril do ano passado. Em seguida, Richa viajou para Brasília, onde acompanhou as solenidades de posse da presidenta Dilma Rousseff.

Edição: Vinicius Doria

Leia também:

Maioria dos governadores já tomou posse Jaques Wagner: Dilma terá uma relação mais confortável com o Congresso Agnelo Queiroz toma posse e assume compromisso contra a corrupção no DF Governador do Rio toma posse e agradece a Lula e Dilma Alckmin defende união com governo federal e com prefeituras paulistas Agnelo recebe faixa de governador do DF e já é cobrado por brasilienses no Palácio do Buriti