Revista Innovare ajuda a disseminar práticas inovadoras no Poder Judiciário

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado quarta-feira, 31 de agosto de 2011 as 23:40, por: cdb

A inovação das práticas jurídicas no Brasil ganhou uma importante ferramenta de divulgação: a Revista Innovare, lançada nesta quarta-feira (31), em Brasília, em um coquetel no Supremo Tribunal Federal. A publicação é um produto do Instituto Innovare, entidade sem fins lucrativos, com sede no Rio de Janeiro, criada em 2010 para desenvolver projetos de pesquisa e modernização da justiça brasileira.

A primeira edição traz as sete práticas vencedoras do Prêmio Innovare 2010, além de outros projetos vencedores de edições anteriores da premiação que já estão mudando o Judiciário brasileiro. Com tiragem de 12 mil exemplares, essa edição especial da revista será distribuída gratuitamente em todo o país aos profissionais de diversas áreas do Judiciário, faculdades de Direito e instituições da área jurídica.

O advogado Márcio Thomaz Bastos, presidente do Conselho Superior do Instituto Innovare, informou que a publicação surgiu do acúmulo de boas práticas detectadas em sete edições do Prêmio Innovare e da necessidade de difundir esse material. “A ideia não é fazer uma revista periódica, semanal ou mensal. Quando a gente sentir que acumulou material de novo, será lançada uma nova edição. Dependendo do interesse por esse número, vamos avaliar formas de melhorar essa distribuição”, afirmou Bastos.

O presidente do Superior Tribunal de Justiça (STJ), ministro Ari Pargendler, é membro da Comissão Julgadora do Prêmio Innovare. Depois de analisar diversos projetos, ele sentia falta de uma disseminação mais ampla das práticas inovadoras. “O Prêmio Innovare sempre surpreende pela melhoria da sua organização e da consolidação dos seus propósitos. E, realmente, uma revista que documentasse esse trabalho era uma necessidade que sentíamos”, comentou.

O ministro Luis Felipe Salomão, do STJ, participa da Comissão Difusora do Innovare, responsável pela disseminação das práticas identificadas na premiação. “O Innovare teve o grande avanço de procurar boas práticas, encontrá-las e premiá-las. Foi uma revolução na justiça brasileira, mas isso estava se esgotando aí”, lamentou. “Nós agora estamos trabalhando em uma pesquisa para identificar como essas práticas estão funcionando hoje e estamos com canais de divulgação das boas práticas, um deles é justamente a revista”, explicou o ministro.

Para o ministro do STJ Sidnei Beneti, o lançamento da revista é um marco, principalmente por conta de sua perenidade. “É muito importante que as coisas sejam escritas, pois as coisas escritas permanecem nos arquivos, nas bibliotecas, ficando sempre à disposição para consulta. O texto escrito é a tradição do jurista”, diz o ministro, que também integra a Comissão Julgadora.

Nelson Calandra, presidente da Associação dos Magistrados Brasileiros (AMB), disse que a entidade apoia a inovação e comemorou o lançamento da revista. “Através da revista é que as ideias lançadas serão sedimentadas, avaliadas e acabarão ganhando terreno fértil no âmbito da opinião pública”, afirmou o desembargador.