Reverendo rejeita posto de premier do Ulster

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado segunda-feira, 22 de maio de 2006 as 11:43, por: cdb

O líder do majoritário Partido Democrático Unionista (DUP, radical), o reverendo Ian Paisley, rejeitou, nesta segunda-feira, o posto de primeiro-ministro do Ulster porque sua candidatura era respaldada pelo Sinn Féin, braço político do Exército Republicano Irlandês (IRA) e segunda força norte-irlandesa.

Os 108 membros da Assembléia autônoma norte-irlandesa, reconstituída na semana passada após quase quatro anos de suspensão, não chegaram sequer a votar para decidir a composição do próximo Executivo de poder partilhado entre católicos e protestantes.

Tal como tinha advertido, o reverendo Paisley não aceitou hoje o respaldo de seus adversários políticos, pois, para ele, o Sinn Féin e o IRA continuam envolvidos em atividades paramilitares e criminosas.

Para o posto de adjunto de Paisley, o líder do Sinn Féin, Gerry Adams, propôs seu “número dois” e negociador-chefe, Martin McGuinness, ministro da Educação no anterior Governo autônomo norte-irlandês.

Perguntado pela porta-voz da Câmara se aceitava a proposta do líder republicano, Paisley respondeu: “Claro que não”. E acrescentou que suas razões “são bem conhecidas e apoiadas pela maioria dos eleitores unionistas”.

Apesar de a sessão parlamentar ter sido suspensa após apenas 14 minutos, os deputados poderão continuar debatendo assuntos do Governo local, embora os ministros britânicos ainda ostentem o Poder Executivo na província.

O Governo britânico restaurou parcialmente na segunda-feira passada a Assembléia norte-irlandesa e deu um prazo a seus membros até 24 de novembro para que formem um Executivo autônomo liderado pelo DUP e pelo Sinn Féin.

Se os deputados não chegarem então a um acordo, Londres fechará indefinidamente a Assembléia, suspenderá os salários e aplicará, em colaboração com Dublin, os conteúdos do acordo da Sexta-Feira Santa (1998).