Retração no varejo e nervosismo nas bolsas são conseqüências do desastre

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado sexta-feira, 14 de setembro de 2001 as 09:53, por: cdb

O comércio varejista brasileiro apresentou queda de 3,85% em seu volume de vendas em julho, na comparação com o mesmo mês do ano passado. O resultado, divulgado pelo IBGE nesta sexta-feira, mostra uma desaceleração mais acentuada no setor, que vem sofrendo quedas desde o segundo trimestre deste ano.

Essa foi a maior baixa desde maio de 2001, quando a pesquisa passou a abranger todos os estados do país. Após os desastres ocorridos nos EUA, dizem os técnicos, a tendência é de uma retração ainda maior no consumo e há riscos de uma profunda recessão no país.

O varejo acumula redução de 1,35% nos sete primeiros meses do ano, em relação ao mesmo período de 2000.

Nervosismo nas bolsas persiste nesta sexta-feira

As principais bolsas de valores européias operavam em queda nesta sexta-feira, aguardando a retomada das operações nos mercados acionários norte-americanos, e preocupadas com as perspectivas para a economia mundial após os ataques nos Estados Unidos.

No entanto, a maioria dos índices europeus abriu a sessão com leves altas, sobretudo suportadas pela ajuda dos principais bancos centrais do mundo, que desde os acontecimentos de terça-feira vêm injetando dinheiro nos mercados para aumentar a liquidez e amenizar os temores de investidores e operadores.

Às 7h (horário de Brasília), Londres previa a paralisação de todas as suas negociações por três minutos, em memória das vítimas dos ataques nos Estados Unidos.

As outras bolsas da Europa anunciaram que iriam acatar a decisão.

Em LONDRES, o índice Financial Times <.FTSE> recuava 1,47 por cento, para 4.870 pontos.

Em PARIS, o índice CAC-40 <.FCHI> caía 2,86 por cento, para 3.996 pontos, abaixo da barreira psicológica de 4.000 pontos.

Em FRANKFURT, o índice DAX <.GDAX> estava em baixa de 2,96 por cento, aos 4.262 pontos.

Em MILÃO, o índice Mibtel <.CMMG> operava com desvalorização de 2,62 por cento, aos 20.595 pontos.

Em MADRI, o índice Ibex-35 <.IBEX> despencava 2,79 por cento, para 7.122 pontos.

Em LISBOA, o índice PSI20 <.PSI20> caía 1,89 por cento, para 6.663 pontos.