Resistentes iraquianos mutilam americanos nas ruas

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado quarta-feira, 31 de março de 2004 as 09:19, por: cdb

Os quatro civis mortos numa emboscada na cidade de Faluja, e outros cinco soldados que morreram em outro ataque perto da mesma cidade são americanos, confirmou nesta quarta-feira o Departamento de Estado. Eufóricos, os iraquianos arrastaram os corpos queimados e mutilados pelas ruas de Faluja.

Imagens de TV mostraram um corpo queimado sendo chutado por uma pessoa, enquanto outras arrastavam um corpo pelos pés. Moradores gritavam “vida longa ao Islã” e “Allahu Akbar” (Deus é o maior) enquanto dançavam chacoalhando os braços e fazendo o “V” da vitória.

Várias horas depois, dois corpos queimados ainda continuavam nas ruas. Algumas testemunhas disseram que quatro pessoas teriam sido mortas, mas não foi possível confirmar essa informação. Segundo as testemunhas, os dois carros foram atacados quando passavam em direções contrárias pelo centro de Falluja, cidade que é um dos focos da resistência à ocupação.
Nos últimos meses, houve uma série de ataques contra estrangeiros que trabalham no Iraque. Um britânico e um canadense foram mortos em Mosul (norte), no último domingo. Em um outro incidente, ocorrido a oeste de Bagdá, as Forças Armadas dos EUA disseram que cinco soldados da coalizão morreram na explosão de uma bomba plantada ao lado de uma estrada.
Militares dos EUA não quiseram dar informações sobre a nacionalidade dos cinco soldados mortos na explosão, mas disseram que eles viajavam em um veículo militar.

A grande maioria dos soldados estacionados na Província de Al Anbar (oeste de Bagdá) é de fuzileiros norte-americanos. Mais de 400 militares dos EUA foram mortos em ação desde o começo da invasão do Iraque.