Resgatados no Maranhão 78 trabalhadores em regime escravo

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado sexta-feira, 23 de fevereiro de 2007 as 16:29, por: cdb

A Delegacia Regional do Trabalho (DRT) do Maranhão resgatou 78 trabalhadores em situação de trabalho escravo em duas fazendas do estado: a Canaã, situada no município de Bom Jardim, e a Mirabela 2, que fica na estrada que liga os municípios de Santa Luzia do Tide e Alto Alegre do Pindaré.

Segundo o coordenador do Grupo Móvel de Combate ao Trabalho Escravo da DRT de Maranhão, Carlos Henrique da Silveira Oliveira, na fazenda Canaã foram resgatados 32 trabalhadores. 

– As condições do alojamento dos empregados, onde eles dormiam, eram muito precárias.
Havia muitos animais dentro do alojamento: galinha, porcos, cachorro -, afirmou.

Ele disse que a fazenda já havia iniciado um processo de endividamento dos empregados.

– O gato (aliciador de mão-de-obra irregular) já estava começando a desenvolver esse sistema para prender o empregado na fazenda por dívida -, disse.

Oliveira explicou que são oferecidas mercadorias para os empregados, como roupas ou cigarro, e, ao final do mês, o valor dos produtos é descontado do salário do trabalhador.

O proprietário da fazenda Canaã não estava no local no momento da fiscalização da DRT. O gato é conhecido na região por Zé Paulo e, segundo Oliveira, já foi libertado.

Já  na outra fazenda, a Mirabela II, foram resgatados 46 trabalhadores em situação de trabalho escravo, sendo que 12 dormiam em um curral.

– A situação era horrível. Os empregados armavam as redes em cima das fezes dos animais. Não sei como alguém conseguia dormir em uma condição daquela -, disse.

Os outros trabalhadores dormiam em um barraco de madeira, sem instalações sanitárias. Entre os empregados em situação de trabalho escravo, foram encontrados dois jovens de 15 anos.

Nas duas fazendas, os proprietários pagaram indenizações aos trabalhadores em torno de R$ 40 mil, além de assinar termo de ajustamento de conduta, se comprometendo a não contratar mais empregados nessas condições. Essa foi a primeira operação de 2007 do Grupo Móvel de Combate ao Trabalho Escravo da DRT do Maranhão.