Renúncia depende de ‘consciência’ do papa, diz Vaticano

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado segunda-feira, 7 de fevereiro de 2005 as 18:26, por: cdb

O cardeal Angelo Sodano, secretário de Estado da Cidade do Vaticano, disse nesta segunda-feira que uma eventual renúncia do papa João Paulo 2º é uma questão para:

– Para a sua consciência.

O cardeal fez a afirmação durante uma conversa com jornalistas em uma inauguraçao de uma livraria no Vaticano, quando foi perguntado se o pontífice já pensou na possibilidade de se demitir.

– Deixemos para a sua consciência. Se há um homem dirigido pelo Espirito Santo que ama a igreja mais que todos e que sabe o que fazer é justamente ele, devemos ter uma enorme confiança, ele sabe o que deve fazer.

A conversa ocorreu um dia depois da aparição de Joao Paulo 2º na janela do hospital Gemelli, de onde pronunciou a benção do Angelus com grande dificuldade.

Nao é a primeira vez que se fala numa possível renúncia do papa por motivos de saúde.
João Paulo 2º, no entanto, sempre afirmou que pretende levar sua missão “até o fim” e:

– Até quando Deus quiser.

Ele também já chegou a afirmar em outras ocasasiões que:

– Um pai não se demite de sua função.

Apesar disso, já circulou na imprensa italiana a história de numa carta de demissão que o papa teria escrito e guardado para usar se fosse necessário, o que jamais foi confirmado pelo vaticano.

A renuncia de um papa é prevista pelo Codigo de Direito Canônico, a Constituição do Vaticano, no canon 332.

Porém, como o papa detém o poder máximo na igreja, somente ele pode decidir sobre sua renúncia.