Rendição de Kandahar acaba com autoridade talibã e EUA negam anistia a Omar

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado sexta-feira, 7 de dezembro de 2001 as 16:28, por: cdb

O Talibã perdeu oficialmente, nesta sexta-feira, seu último reduto no Afeganistão. A cidade de Kandahar – considerada o berço espiritual da milícia fundamentalista – começou a ser ocupada pelas forças de oposição, segundo um anúncio feito pelo chefe do governo interino nacional, Hamid Karzai.

“A autoridade talibã está efetivamente acabada”, afirmou Karzai. “Não existe mais uma situação em que precisaríamos expulsar as forças talibãs de Kandahar”. Segundo ele, os combatentes talibãs deveriam começar a entregar suas armas na sexta-feira, em dois locais determinados no acordo que resultou na rendição da milícia.

Mas, em vez disso, a maior parte dos talibãs fugiu da cidade durante a madrugada. As forças de oposição, então, iniciaram o deslocamento para Kandahar e na parte da tarde, as forças do mulá Naqibullah, antigo comandante mujahedin, já haviam se apossado dos principais edifícios militares e administrativos da cidade.

Karzai revelou ainda que o mulá Mohammed Omar (líder supremo dos talibãs) descumpriu um prazo – que expirava na noite de quinta-feira – para renunciar ao terrorismo. “Ele não fez isso. A noite passada era sua última chance antes da transferência de poder. Ele permanece comprometido com os vínculos com o terrorismo”. O chefe do governo interino afirmou desconhecer os paradeiros de Omar e de Osama bin Laden – o líder da rede terrorista Al Qaeda responsabilizado pelos atentados de 11 de setembro contra os Estados Unidos.

Transição em meio ao caos
As primeiras horas da transição em Kandahar foram marcadas pelo caos. Ladrões, alguns grupos de talibãs que ainda não haviam fugido e combatentes da oposição corriam pelas ruas, em meio ao barulho de tiros e os mercados ao ar livre, normalmente movimentados, estavam desertos. Houve relatos de saques a lojas, residências e a armazéns de agências humanitárias.

A maior parte dos talibãs parece ter abandonado a cidade em direção a áreas rurais, mas alguns continuam escondidos no centro de Kandahar. O fim do controle talibã sobre a cidade que era considerada o berço espiritual da milícia fundamentalista islâmica seguiu-se a um acordo fechado na quinta-feira. A retirada, de acordo com Karzai, deverá estar concluída em quatro dias.

Em Islamabad, capital do Paquistão, o ex-embaixador do Talibã, mulá Abdul Salam Zaif, informou que Omar iria entregar Kandahar ao mulá Naqibullah. O embaixador acrescentou que parte do acordo negociado com Karzai incluía a concessão de anistia para Omar, permitindo que o mulá “viva com dignidade”. Os Estados Unidos, porém, rejeitaram imediatamente qualquer alívio para Omar.

Em Washington, na quinta-feira, o secretário de Defesa Donald Rumsfeld declarou que qualquer acordo que possibilitasse a Omar “viver com dignidade” não seria “coerente” com o objetivo norte-americano de “deter toda a liderança do Talibã e da Al Qaeda”. “Ele deu abrigo à Al Qaeda naquele país. Ele não merece a Medalha da Liberdade”, concluiu Rumsfeld.