Remédio, combustível e passagem aérea promovem alta na inflação de novembro

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado terça-feira, 12 de novembro de 2002 as 13:30, por: cdb

A inflação de novembro medida pelo IPCA sofrerá forte impacto do aumento dos preços dos combustíveis, das passagens aéreas e do reajuste nos preços dos remédios que passa a vigorar a partir desta terça-feira. A gerente do Sistema de Índices de Preços do IBGE, Eulina Nunes dos Santos, disse que é difícil avaliar o impacto exato desses aumentos sobre o índice porque não se sabe quanto dos reajustes oficiais será repassado aos consumidores. No entanto, caso o aumento de 12,09% na gasolina a partir do último dia 4 seja integralmente repassado, o impacto na inflação seria de 0,48 ponto porcentual.

O gás de cozinha, que aumentou 22,1% no dia cinco, terá impacto de 0,35 ponto porcentual no índice, mais uma vez somente na hipótese de repasse integral. A conta é mais difícil no caso das passagens aéreas, já que haverá tanto um resíduo do reajuste de 16% ocorrido no dia oito de outubro, quanto efeitos do aumento de 7,5% válido a partir do último dia quatro.

No que diz respeito aos remédios, o reajuste médio de 8,63% poderá ter um impacto de 0,18 ponto porcentual no índice levando-se em conta que incidirá apenas sobre a metade do período de coleta.