Relatório nuclear do Irã ‘agrada’ agência da ONU

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado sexta-feira, 31 de outubro de 2003 as 17:13, por: cdb

O diretor da Agência Internacional de Energia Atômica (AIEA), Mohamad El-Baradei, disse que a declaração do Irã sobre seu programa nuclear é “abrangente” e “precisa”.

A agência nuclear da Organização das Nações Unidas (ONU) está agora analisando o documento sobre as atividades nucleares no Irã.

O país entregou o relatório à AIEA uma semana antes do prazo, que se encerrava nesta sexta-feira.

O correspondente da BBC em Teerã, Jim Muir, diz que agora é pouco provável que o país seja acusado de violar o Tratado de Não-Proliferação de Armas Nucleares, embora alguns pontos ainda devam ser discutidos na próxima reunião da AIEA prevista para 20 de novembro.

Evidências

“Estamos fazendo um bom progresso. O Irã submeteu o que me garantiu ser uma declaração abrangente e precisa”, disse El-Baradei a repórteres em Ottawa, no Canadá.

El-Baradei disse que os inspetores da AIEA estão atualmente no Irã para verificar as evidências apresentadas no relatório.

Há informações de que os inspetores estariam focando as buscas no processo de conversão de urânio, enriquecimento de laser e centrífugas, onde traços de urânio altamente enriquecido haviam sido encontrados anteriormente.

Para Muir, o trabalho dos inspetores deve tomar tempo e ainda vai demorar alguns dias para terminar.

Tratado

O diretor da agência nuclear da ONU também disse que o Tratado de Não-Proliferação de Armas Nucleares deve ser reforçado.

Em entrevista ao jornal francês Le Monde, El-Baradei afirmou que, no momento, entre 35 e 40 países têm capacidade de construir armas nucleares.

O tratado atual não controla o enriquecimento de urânio ou a posse de material nuclear militar.
Segundo o diretor da AIEA, caso algum desses países decidisse não se comprometer mais com o tratado, uma arma nuclear poderia ser construída dentro de meses.