Relação dívida/PIB é a menor desde 1995, informa o BC

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado quarta-feira, 28 de dezembro de 2005 as 12:55, por: cdb

A relação da dívida externa brasileira em relação ao Produto Interno Bruto deve fechar 2005 em 21%, o menor patamar desde 1975, estimou o Banco Central nesta quarta-feira. Segundo o BC, a dívida externa bruta deve encerrar o ano em US$ 165 bilhões, sendo US$ 99 bilhões do setor público e o restante do setor privado. Este é o menor volume nominal da dívida desde 1995, quando estava em cerca de US$ 164 bilhões de dólares.

Em comunicado, o BC reduziu de 3,4% para 2,6% a previsão de crescimento para este ano, após a queda observada no terceiro trimestre. Para 2006, a expectativa é um aumento de 4% do Produto Interno Bruto (PIB).

“Após o recuo de 1,2% do produto no terceiro trimestre, em relação ao trimestre anterior, de acordo com dados dessazonalizados, as perspectivas são de recuperação a partir do último trimestre do ano, em decorrência, principalmente, da continuidade do crescimento do emprego, do aumento progressivo da massa salarial real, do reequilíbrio dos estoques no setor produtivo e dos efeitos da flexibilização em curso na política monetária num ambiente de expansão do crédito”, diz o Relatório de Inflação.

Segundo as previsões do BC, a indústria terá um crescimento de 3% neste ano. Já o setor de serviços crescerá 2,1% e a agropecuária, 1,5%. A previsão de 4% em 2006 ficou abaixo das previsões do ministro da Fazenda, Antonio Palocci, que na semana passada previu que o desempenho da economia no ano iria repetirir o de 2004, quando o PIB cresceu 4,9%.

De acordo com as projeções do BC, baseadas nas perspectivas consideradas favoráveis para o setor agropecuário e para a indústria, a economia como um todo será beneficiada com a perspectiva de redução da taxa de juros. A previsão de crescimento do setor agropecuário é de 4,8%. Para a indústria é de 5,3%, o que reflete o “crescimento da produção doméstica de petróleo e a sustentação da demanda agregada”. O setor de serviços deverá crescer 2,9%.