Reforma da Previdência não pode ser feita de maneira apressada, diz Garibaldi

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado segunda-feira, 3 de janeiro de 2011 as 16:36, por: cdb

Brasília – O novo ministro da Previdência Social, Garibaldi Alves Filho, disse hoje (3), após tomar posse, que a reforma da Previdência, discutida há anos pelo Executivo e pelo Congresso Nacional não pode ser feita de forma “apressada”.

“As tentativas [de reforma] que foram feitas não foram bem sucedidas porque procuravam se implantar por meio de uma discussão muito apressada, não se resolve assim”.

Garibaldi disse que está se inteirando dos assuntos da pasta, mas adiantou algumas discussões que irá conduzir no comando do ministério, entre elas a do fim do fator previdenciário para cálculo da aposentadoria.

“Há um consenso, que eu não sei se é um falso consenso, de que poderíamos substituir o fator por uma proposta de idade miníma que fosse razoável. É um assunto que pode ser discutido, pode ser avaliado, sabemos muito bem que o fator agrava a situação, se insere no cálculo e termina contribuindo para que tenhamos uma cobrança maior ao segurado”.

Perguntado sobre a separação entre o regime de Previdência Urbana e Rural, o novo ministro preferiu não adiantar nenhuma opinião e disse que ainda vai consultar a área técnica do ministério sobre o assunto.

 

Edição: Aécio Amado