Reeleição, segundo TSE, foi obtida com 60,83% dos votos

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado segunda-feira, 30 de outubro de 2006 as 11:02, por: cdb

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) obteve 60,83% dos votos válidos nas eleições deste domingo, contra 39,17% de Geraldo Alckmin (PSDB), segundo dados finais do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), divulgados na manhã desta segunda-feira, após 100% da apuração. Foram contabilizados, ao todo, 125.911.486 votos:

Luiz Inácio Lula da Silva 58.294.228 60,83% votos válidos
Geraldo Alckmin 37.543.024 39,17% votos válidos
Censo eleitoral: 125.913.479 (100%)
Votos apurados: 125.911.549 (100%)
Votos válidos: 95.837.252 (93,96%)
Brancos: 1.351.443 (1,32%)
Nulos: 4.808.500 (4,71%)
Abstenção: 23.916.287 (18,99%)

Apoio internacional

Nas primeiras horas do dia, em Brasília, o presidente reeleito recebeu a primeira mensagem de congratulações por sua vitória nas urnas. O presidente francês Jacques Chirac parabenizou Lula e declarou confiar que a cooperação entre ambos os países continuará aumentando nos próximos quatro anos de mandato.

“Quero dizer-lhe, como amigo, o quanto me alegro com sua vitória. Durante minha visita de Estado (em maio), pude ver a magnitude do trabalho que realiza para fazer do Brasil um país mais justo e senti a popularidade que ganhou por seu trabalho determinado a serviço desta nobre causa”, declarou Chirac na mensagem enviada.

“A França dará seu apoio firme para que o lugar do Brasil no mundo seja reconhecido no âmbito da reforma da ONU”, garantiu Chirac.

O presidente francês acrescentou que deseja “fortalecer as relações bilaterais e a cooperação entre a Europa e a América Latina”. Além disso, disse que a ação conjunta franco-brasileira, que já ficou clara em inovadoras iniciativas para lutar contra as grandes epidemias do mundo, prosseguirá em “outros âmbitos de interesse planetário”.

Por último, o presidente francês enfatizou que as empresas francesas desejam participar no “esforço de modernização” iniciado pelo Brasil e enfatizou que as relações culturais entre os povos dos dois países devem aumentar,

Como exemplo, Chirac insistiu que os jovens franceses “olhem com atenção o Brasil, seu idioma e suas artes e que os jovens brasileiros aprendam o francês e façam cursos superiores na França”.