Redução do fluxo de turistas compromete vendas nos shopping

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado domingo, 18 de fevereiro de 2007 as 14:24, por: cdb

A crise nos aeroportos brasileiros, que diminuiu o turismo nacional, está refletindo de forma negativa no desempenho financeiro dos shopping centers neste início do ano. A Associação das Empresas Lojistas em Shopping Centers do Estado do Rio de Janeiro (Aloserj) registrou, de janeiro até a semana passada, retração de 7,5% nas vendas.

O diretor executivo da entidade, Gilberto Catran, disse hoje à Agência Brasil que apesar de neste ano ter chegado ao país um maior número de transatlânticos, o que significa aumento do turismo internacional, o movimento nas vendas não correspondeu.

– Também o turismo nacional tem estado muito aquém do esperado por conta desse problema dos aeroportos. Muitas pessoas deixaram de viajar.

Pesquisa da Aloserj junto nos principais shopping centers fluminenses mostra que a redução de turistas nacionais e internacionais está  determinando o resultado negativo no início do ano,  informou Catran.

De acordo com Catran, a esses fatores se somam gastos tradicionais das famílias brasileiras no período, como pagamento de impostos,  entre os quais o Imposto Predial  e Territorial Urbano (IPTU) e Imposto  sobre  Propriedade de Veículos Automotores(IPVA), “que afetam principalmente a classe média”, e  a compra de material escolar, “que afeta todas as classes da população”.

Os festejos do carnaval não parecem animar o setor.

– A grande expectativa era com o movimento turístico, que aumenta muito o fluxo de consumidores em potencial nos shoppings. Isso  não está acontecendo – disse Catran.

Um fator que reforça isso é a postura das empresas em relação aos funcionários temporários de dezembro, que foram dispensados antes do carnaval, contrariando a tendência normal que é de os lojistas esperarem o  carnaval para fazer uma análise de desempenho e, então, retornarem à sua equipe básica, esclareceu.

– Eles anteciparam essas demissões. É sinal de que o movimento não está bom.

Para o ano de 2007, a perspectiva é de que o crescimento do faturamento do setor não seja muito grande, devendo oscilar entre 2% e 3%.

– Não tem condições macro-econômicas, estruturais, que determinem um  incremento maior do que esse – apontou.

No ano passado, os lojistas filiados à Aloserj registraram aumento em torno de 2,5% nas vendas. O percentual vem se repetindo nos últimos quatro anos, acompanhando o poder aquisitivo  do trabalhador, desemprego, restrições da economia, citou.

Catran lembrou que a classe média hoje tem outras despesas que comprometem a renda, como telefone celular e Internet.

– Tinha mais dinheiro liberado para o consumo de produtos, não de serviços. Então isso determinou  os níveis de crescimento pequenos nos últimos quatro a cinco anos – observou.