Rede hoteleira do Rio comemora recorde de ocupação neste fim de ano

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado quinta-feira, 23 de dezembro de 2010 as 13:06, por: cdb

>
23/12/2010Rede hoteleira do Rio comemora recorde de ocupação neste fim de ano

Da Agência Brasil

Rio de Janeiro – Às vésperas do Natal, os hotéis da capital fluminense estão com ocupação de 90%, surpreendendo o setor. A maior procura ainda são os bairros de Copacabana, Ipanema e Leblon, na zona sul, que devem ter todas as opções de estadia lotadas para o réveillon, segundo a Associação Brasileira da Indústria de Hotéis (Abih).

“Por conta do calendário da cidade, com show do Roberto Carlos [previsto para o sábado], a Parada Iluminada (evento infantil) [ambos na orla da Copacabana] e a Árvore de Natal da Lagoa, estamos com uma ocupação bastante elevada, beirando 90% [de vagas preenchidas]”, afirmou o presidente da Abih, Alfredo Lopes.

De acordo com o executivo, o número de visitantes em 2010 já superou o de 2009. Lopes contou que no último feriado desse ano, 90% da rede hoteleira ficou lotada, sendo que no ano passado, o percentual foi de 62%. Para a associação, além do aumento da procura da cidade para promoção de eventos corporativos, a superexposição do Rio também contribuiu.

Segundo a associação, desde que a cidade foi anunciada como sede de competições internacionais, redes hoteleiras internacionais sondaram imóveis ou áreas para construções. Entre os novos empreendimentos que escolheram o Rio, Lopes cita a rede Grand Hyatt na Barra da Tijuca, na zona oeste, além de dois projetos da rede Windsor, que inaugurará ainda neste ano um hotel reformado em Copacabana. “Vários prédios antes degradados estão em obras”, comemora.

Para dar conta da demanda, o presidente da Abih disse também que a rede de motéis do Rio foi transformada em hotéis econômicos. Com o acréscimo, são mais de 3 mil quartos dando apoio à rede hoteleira, que para a semana do carnaval, em março de 2011, já tem 65% das vagas reservadas.

Outra opção de baixo custo que vem crescendo na cidade são os albergues. A gerente do Cidade Maravilhosa Hostel, que fica na Glória, na zona sul, Paula Bottino, contou que a procura neste ano aumentou muito em relação ao ano passado e atingiu o limite da lotação há dois meses.

Recebendo muitos estrangeiros, a gerente diz que os albergues aliam praticidade e acomodação. “O hóspede vem para aproveitar o lugar, então eles tomam o café da manhã, perguntam alguma informação e só voltam pra dormir”.

Com o crescimento da procurar por hospedagem, a Abih estima que a indústria hoteleira deve criar mais 10 mil quartos até os Jogos Olímpicos de 2016.

 

Edição: Lílian Beraldo