Recuperar área desmatada não atrapalha a produção, diz deputado

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado quarta-feira, 23 de março de 2011 as 12:47, por: cdb

O deputado Márcio Macedo (PT-SE) contestou os números apresentados pelo procurador da Fazenda Nacional e especialista em Direito Ambiental Luís Carlos Silva de Moraes em relação ao impacto financeiro causado pela recuperação de regiões desmatadas. O deputado participou de audiência pública promovida pela Comissão de Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável, que se encerrou há pouco. Os parlamentares discutiram o relatório do deputado Aldo Rebelo (PCdoB-SP) sobre o Projeto de Lei 1876/99, que propõe alterações no Código Florestal Brasileiro.

Macedo afirmou que estudos da Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência (SBPC) já mostram que é possível continuar aumentando a produção agrícola no País com investimentos em tecnologia, o que não impediria a recuperação de áreas já desmatadas. “Os cientistas atestam que é possível aumentar a produção sem derrubar mais nenhuma árvore”, disse.

Incentivos fiscais
Na mesma audiência, o deputado Reinhold Stephanes (PMDB-PR), que foi ministro da Agricultura, concordou com a ideia de que é preciso criar incentivos fiscais para viabilizar o cumprimento das alterações propostas no projeto de novo Código Florestal. “Antes de recuperar áreas desmatadas nas beiras dos rios, por exemplo, precisamos criar mecanismos que incentivem os produtores a realizarem essa recuperação”, disse Stephanes.

Tempo real:12:39 – Recuperar áreas desmatadas é inviável, diz especialista12:01 – Código Florestal: ambientalista diz que não quer inviabilizar produção11:35 – Aldo Rebelo pede ‘grande esforço’ para mudar Código Florestal10:38 – Começa audiência sobre alterações no Código Florestal08:40 – Código Florestal: comissão discute nesta manhã relatório de Aldo RebeloReportagem – Murilo Souza
Edição – Juliano Pires