Recuperadas caixas-pretas de avião acidentado na Turquia

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado terça-feira, 27 de maio de 2003 as 15:50, por: cdb

Em meio a destroços carbonizados, soldados turcos recuperaram nesta terça-feira as caixas-pretas de um avião de fabricação russa que na última segunda-feira (26) bateu numa montanha na Turquia, causando a morte de 75 pessoas, sendo 62 mantenedores de paz espanhóis que voltavam do Afeganistão e 13 tripulantes.

Enquanto isso, médicos forenses turcos e espanhóis utilizavam etiquetas de identificação militar, alianças de casamento, roupas e registros da arcada dentária para identificar os corpos.

Os soldados mortos retornavam para a Espanha depois de uma missão de quatro meses no Afeganistão quando a aeronave bateu numa montanha em meio à densa neblina que cobria a região próxima a um aeroporto onde o aparelho deveria pousar para uma escala de reabastecimento.

As autoridades competentes esperam agora que os registros de voz e os dados gravados nas caixas-pretas ajudem a esclarecer os últimos momentos do vôo e a determinar as causas do acidente.

Todas as pessoas a bordo do avião YAK-42D, de fabricação russa, morreram no acidente ocorrido em Trabzon, uma cidade portuária turca na costa do Mar Negro situada a mais de 700 quilômetros de Ancara.

O ministro da Defesa da Espanha, Federico Trillo, visitou nesta terça-feira o local do acidente e examinou cuidadosamente um chapéu de safari encontrado entre os destroços do avião e que tinha gravado o nome de Antonio Novo, o comandante dos mantenedores de paz espanhóis no Afeganistão.

O avião seguia de Cabul para Zaragoza, mas voava alto demais quando tentou fazer uma escala para reabastecimento em Trabzon. Este foi o pior acidente aéreo da história militar espanhola.

O aeroporto fica a poucas centenas de metros da costa e sua pista de pouso é paralela à praia. Segundo autoridades aeroportuárias da Turquia, o piloto deveria ter seguido rumo ao mar para diminuir a altitude da aeronave. Em vez disso, ele voltou-se para o continente e seguiu na direção das montanhas em meio a uma densa neblina e a fortes ventos.

Pela posição da aeronave, segundo investigadores, acredita-se que a cauda tenha sido a primeira parte do avião a tocar a montanha, sugerindo que o piloto talvez tenha tentado elevar sua altitude para escapar do pico. O avião explodiu no impacto.

Algumas testemunhas, no entanto, dizem que o avião já estava em chamas antes de bater na montanha.

– Primeiro, pensei que fosse um míssil, mas depois percebi que o avião estava em chamas antes do estrondo – disse o fazendeiro Mehmet Turan, de 33 anos.

Investigadores turcos sugerem que uma falha técnica pode ter ocorrido antes do choque.