Recoba é condenado a seis meses por passaporte falso

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado quinta-feira, 25 de maio de 2006 as 11:32, por: cdb

O atacante uruguaio Alvaro Recoba, da Internazionale de Milão, recebeu do Tribunal de Udine (nordeste da Itália) uma pena de seis meses de prisão, substituída por uma multa de 21.420 euros, pela obtenção de um suposto passaporte falso da União Européia.

Gabriele Oriali, diretor do clube e também investigado no caso, recebeu a mesma pena.
O caso dos passaportes falsos surgiu em setembro de 2000, quando foram detidos os brasileiros Alberto e Warley, da Udinese, quando tentavam entrar na Polônia.

A Polícia polonesa verificou que os passaportes portugueses dos dois eram falsos e informou à Promotoria de Udine, que abriu uma investigação sobre o caso. Mais tarde, o inquérito foi ampliado para outros jogadores do campeonato italiano.

Foram 31 pessoas investigadas, entre elas 12 jogadores, especialmente sul-americanos, que utilizaram documentação falsa para conseguir o documento. O objetivo era jogar sem ocupar as vagas de “não comunitário”, mesmo sem ter antepassados europeus.

No caso de Recoba, a documentação foi obtida com documentos roubados.