RECICLE! Jogue limpo com você, meio ambiente e a cidade

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado sexta-feira, 2 de março de 2012 as 13:34, por: cdb

foto/divulgação:

O ciclo do processo seletivo

O tema reciclagem é de interesse público e todos devem ter atitude para colocar em prática no dia a dia.

 

São considerados recicláveis aqueles resíduos que constituem interesse de transformação, que têm mercado ou operação que viabiliza sua transformação industrial. Eles devem ser acondicionados em aterros sanitários. Particularizando, a coleta seletiva é importante e os programas de Educação Ambiental, em especial o da FLORAM, ajudam sobremaneira.

 

“Nosso objetivo é que aos poucos possamos criar o hábito de separarmos os materiais e/ou lixo adequadamente” afirma o Superintendente da FLORAM, Gerson Basso.

 

Na lista abaixo há materiais ditos não recicláveis que em certas regiões tem compradores, podendo ser considerados recicláveis.

 

Para tanto, sugerimos em primeiro momento a seguinte atitude diária:

1)     uma lixeira para colocar tudo que NÃO é reciclável; e

2)     em outra lixeira tudo o que for reciclável.

 

Você pode usar a criatividade colocando adesivos nas lixeiras, recortes, figuras ou afins, identificando qual a lixeira que armazenará lixo reciclável e a de não reciclável.

 

“O mais importante é que na coleta se possa conseguir identificar facilmente o tipo de lixo que está coletando, para que a ação seja eficaz”, diz Gerson.

 

Assim, segue o que pode ou não reciclar:

 

1) PAPEL

a) Reciclável

Folhas e aparas de papel; Jornais; Revistas; Caixas; Papelão; Formulários de computador; Cartolinas; Cartões; Envelopes; Rascunhos escritos; Fotocópias; Folhetos; Impressos em geral; e Tetra Pak.

 

b) Não reciclável

Adesivos; Etiquetas; Fita Crepe; Papel carbono; Fotografias; Papel toalha; Guardanapo; Papel higiênico; Papéis engordurados, metalizados, parafinados e plastificados; e Papel de fax.

 

Observação – Devem estar secos, limpos (sem gordura, restos de comida, graxa), de preferência não amassados. As caixas de papelão devem estar desmontadas por uma questão de otimização do espaço no armazenamento.

 

 

2) METAL

a) Reciclável

Latas de alumínio; Latas de aço (óleo, sardinha, molho de tomate); Ferragens; Canos; Esquadrias; e Arame.

 

b) Não reciclável

Clipes; Grampos; Esponja de aço; Latas de tinta ou veneno; Latas de combustível; Pilhas; e Baterias.

 

Observação – Devem estar limpos e, se possível, reduzidos a um menor volume (amassados)

 

 

3) PLÁSTICO

a) Reciclável

Tampas; Potes de alimentos; PET; Garrafas de água mineral; Recipientes de Limpeza; Higiene; PVC; Sacos plásticos; Brinquedos; Baldes; e Copo plástico seco (o Isopor tem reciclagem em algumas localidades).

 

b) Não reciclável

Cabo de panela; Tomadas; Adesivos; Espuma; Teclados de computador; Acrílicos.

 

Observação – Potes e frascos limpos e sem resíduos para evitar animais transmissores de doenças próximos ao local de armazenamento.

 

 

3) VIDRO

a) Reciclável

Potes de vidro; Copos; Garrafas; Embalagens de molho; e Frascos de vidro.

 

b) Não reciclável

Planos; Espelhos; Lâmpadas; Cerâmicas; Porcelanas; Cristal; Ampolas de e medicamentos.

 

Observação – Devem estar limpos e sem resíduos. Podem estar inteiros ou quebrados. Se quebrados devem ser embalados em papel grosso (jornal ou craft).

 

 

É muito importante ensinar as pessoas, em especial a sua família. As crianças, principalmente, adoram participar e contribuir, pois, se sentirão úteis – muito importantes para evitar que a natureza receba lixo desnecessariamente.

 

Segundo o Diretor de Gestão Ambiental da FLORAM, Marco Aurélio Abreu, com atitudes simples, que se contribui para a economia de recursos naturais, a redução da degradação ambiental e geração de renda para quem atua na reciclagem de materiais (cooperativas).

 

Agora de posse desses conhecimentos, use a sua imaginação e a criatividade – contamos com você!