Rebeldes gregos ameaçam com novos ataques contra os EUA

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado quinta-feira, 25 de janeiro de 2007 as 10:30, por: cdb

O grupo guerrilheiro de tendência marxista que explodiu uma granada na embaixada norte-americana em Atenas, no início deste mês, voltou a fazer ameaças, nesta quinta-feira, de novos ataques contra alvos gregos e norte-americanos. O grupo Luta Revolucionária assumiu a autoria do atentado em uma declaração de cinco páginas, publicada em um semanário de Atenas, criticando os Estados Unidos (EUA) e a aliada Grécia.

“Nossas batalhas vitoriosas contra esta instituição mostrarão o quão vulnerável é. (Pretendemos) nos livrar das bases norte-americanas e da Organização do Tratado do Atlântico Norte (Otan) presentes em nosso país e derrubar aqueles que trabalham com eles”, disse o grupo em panfleto publicado no jornal To Pontiki.

O Luta Revolucionária surgiu há quatro anos e o ataque com uma granada-foguete à embaixada foi a maior ameaça à segurança na Grécia desde o desmonte do grupo, em 17 de novembro de 2002. Apesar do edifício altamente vigiado ter sofrido apenas alguns pequenos danos, a polícia teme que o ataque na madrugada marque o início de um novo ciclo de violência.

O manifesto enviado ao jornal condenava a política externa norte-americana, principalmente no Iraque e no Oriente Médio, e dizia que o governo grego é um aliado “cego” dos EUA. O grupo disse que o seu ataque à embaixada foi dedicado à “resistência (iraquiana) que destrói a máquina de guerra dos EUA”, acrescentando que o ato deixou muitos libaneses, iraquianos e palestinos felizes.

“Nosso ataque contra a embaixada dos EUA é uma mensagem de que não só a Grécia não está alinhada à ordem estabelecida, como existe uma batalha. Há uma batalha armada contra a Nova Ordem”, afirmou.

O grupo mencionou o ministro da Ordem Pública grego, Byron Polydoras, e a ministra de Relações Exteriores, Dora Bakoyanni, chamando-os de “pretorianos” do governo dos EUA, pois ambos correram para embaixada logo após o ataque para condenar publicamente o ato. Tais referências feitas por grupos guerrilheiros gregos algumas vezes indicam os novos alvos. O Luta Revolucionária bombardeou anteriormente o Ministério de Economia da Grécia e a corte de Atenas, além de tentar assassinar o ministro da Cultura, George Voulgarakis, com uma bomba no último verão.