Randolfe cobra celeridade na indicação da representação provisória brasileira no Mercosul 

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado quinta-feira, 24 de março de 2011 as 14:35, por: cdb

“Longa vida à integração americana, longa vida ao Mercosul”. Ao celebrar os 20 anos de criação do Mercado Comum do Sul, o senador Randolfe Rodrigues (PSOL-AP) cobrou celeridade na indicação da representação brasileira provisória no Parlamento do Mercosul. Ele defendeu também a necessidade de ser iniciada uma discussão para que seja definido o processo de escolha dos futuros membros.

– Insisto em registrar que nossas indicações devem levar em consideração aquilo que rege o Parlamento do Mercosul: a pluralidade política e ideológica das nações pertencentes. Temos muito a debater no parlamento regional, como o acompanhamento das obras de integração física na América do Sul e os aportes financeiros que o BNDES tem feito para obras em nossos países-irmãos – afirmou Randolfe Rodrigues.

Venezuela

O senador pelo Amapá lembrou os embates travados no Congresso Nacional a respeito da entrada da Venezuela no Mercosul e defendeu o ingresso do país no bloco econômico por entender que será uma importante contribuição para o processo de integração regional. Para que a Venezuela se torne país-membro do Mercado Comum do Sul falta apenas a aprovação do parlamento paraguaio.

Segundo o senador pelo Amapá, desde 2003 a Venezuela ocupa a posição de segundo importador de produtos brasileiros na América do Sul, atrás apenas da Argentina. Randolfe destacou que, em especial para a Amazônia, o ingresso do país no Mercosul é fundamental. Ele falou sobre visita feita ao Amapá, no final de semana passada, pelo embaixador da Venezuela no Brasil, Maximilien Sánchez Arvelaiz.

– A Venezuela, que importa cerca de 70% dos alimentos que consome, demonstrou interesse na importação de búfalos do Amapá, além de vários outros produtos do estado. Para tanto está sendo construída a vinda de técnicos de governo e comitiva empresarial para estudar a ampliação do intercâmbio comercial. O Amapá se interessa por fertilizantes venezuelanos, cimento e insumos para a produção de asfalto, além de produtos derivados do petróleo – declarou Randolfe Rodrigues.

Roberto Homem / Agência Senado