Raiva bovina aumenta em 73% no MS

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado quinta-feira, 10 de fevereiro de 2005 as 11:29, por: cdb

Os casos de raiva bovina aumentaram em 73% no ano passado comparado a 2003, passando de 45 a 78, segundo dados da Iagro (Agência Estadual de Defesa Sanitária Animal e Vegetal). O número, segundo o coordenador estadual do Programa de Combate à Raiva do Mato Grosso do Sul, Ademar Etiro Mori, foi pressionado por Laguna Caarapã, que responde por um terço das confirmações em herbívoros. O município não registrava a doença há pelo menos 30 anos.

Atualmente existem focos da doença nas cidades de Costa Rica, São Gabriel do Oeste e Rochedo. Em Rochedo o problema ocorre desde o fim do ano passado, quando foram constatados dois focos e a preocupação da Iagro é que não há registros anteriores da doença no local em que foi constatada, às margens do córrego Jatobá. “Não sei se os proprietários estão cientes do prejuízo que a doença pode causar”, alerta Ademar.

A raiva mata de 3 a 4 dias após a manifestação de sintomas, que são paralisia progressiva dos membros do animal atingido. A doença é transmitida pelo morcego hematófago, que se alimenta de sangue. Dentre os 14 municípios que estão obrigados a vacinar desde o ano de 2002, somente Corumbá e Aquidauana apresentaram casos da doença no ano passado.

A Iagro, tomando como base a evolução de casos nesses municípios, estuda a liberação de dois deles da obrigatoriedade de imunização do gado. Foram coletadas no ano passado 300 amostras de sangue de bovinos e 20 de eqüinos para o teste. Ao todo 18 municípios apresentaram a doença.