Radicais islâmicos libertam repórter de jornal cristão

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado quinta-feira, 30 de março de 2006 as 12:08, por: cdb

A jornalista americana Jill Carroll, 28, libertada nesta quinta-feira no Iraque, passou quase três meses em cativeiro, como informou. Jill é repórter freelancer do jornal The Christian Science Monitor e foi seqüestrada em Bagdá em 7 de janeiro, na região de Adil (oeste) quando estava a caminho de uma entrevista com o político sunita Adnan al Dulaimi.

O tradutor que a acompanhava foi morto na ação, ocorrida a cerca de 300 metros do escritório de Al Dulaimi.

– Ela foi libertada nesta manhã, conversou com seu pai e está bem – afirmou David Cook, editor do Monitor em Washington. Segundo ele, o jornal não possui mais detalhes das circunstâncias da libertação.

Segundo a polícia iraquiana, Carroll foi deixada no escritório do Partido Islâmico Iraquiano, em Amiriya, oeste de Bagdá, por um grupo desconhecido. Em seguida, ela ficou sob custódia americana e deve estar na zona verde de Bagdá.

Brigadas

Os seqüestradores de Carroll, supostos membros do grupo autodenominado Brigadas da Vingança, haviam exigido a libertação de todas as prisioneiras iraquianas em 26 de fevereiro, ameaçando matar a jornalista. Em 28 de fevereiro, o ministro do Interior iraquiano, Bayan Jabr, afirmou que Carroll estaria sendo mantida refém do Exército Islâmico no Iraque, grupo insurgente que libertou dois jornalistas franceses em 2004, após quatro meses de cativeiro.