Radares começam a funcionar em fevereiro

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado quinta-feira, 26 de janeiro de 2012 as 14:07, por: cdb

Por: Andréia Pereira

A partir do dia 10 de fevereiro, os radares instalados em Montes Claros entram em atividade oficialmente, uma vez que eles já estão em funcionamento, mas com fins educativos. O presidente da Empresa Municipal de Planejamento, Gestão e Educação em Trânsito e Transportes de Montes Claros (MCTrans), Jacinto Paulo Faustino, explica que antes do dia 10, os condutores que estão ultrapassando o limite de velocidade estabelecido não serão multados. “A ideia é promover a conscientização dos motoristas até que o serviço de fiscalização eletrônica passe a funcionar com o envio de notificação ao condutor do veículo que cometer a infração”, disse o presidente.

A multa cobrada pela infração, segundo o Código de Trânsito Brasileiro, varia de R$ 53,20 a R$ 574,62, dependendo da velocidade ultrapassada. O condutor ainda pode perder de 3 a 7 pontos na Carteira Nacional de Habilitação e ter o direito de dirigir suspenso. Mas, apesar das penalidades, Jacinto Paulo destaca que o objetivo dos radares não é punir, e sim salvar vidas. “O objetivo nosso é justamente diminuir a velocidade dos veículos e consequentemente a quantidade de acidentes”, afirmou Jacinto.

O presidente da MCTrans apontou o grande número de acidentes no munícipio. A informação é também confirmada pelo Corpo de Bombeiros, que registrou um salto de 1.047 acidentes em 2010 para 1.214 em 2011. Já o Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (SAMU) registrou 3.633 acidentes no ano passado, sendo 2.108 com envolvimento de motocicletas. O Detran considera que 90% dos acidentes devem-se à imprudência dos condutores, incluindo aí o excesso de velocidade. Para Jacinto Paulo, os números apontados são os motivos que determinam a importância dos radares em Montes Claros.

Velocidade permitida – Para minimizar os acidentes nas vias de fluxo intenso de veículos na cidade, a MCTrans realizou estudo para determinar a velocidade permitida. Inicialmente, foi estipulado o limite máximo de 40 km/h, porém, depois de outra análise, a MCTrans mudou para 60 km/h a velocidade máxima permitida. “Esta mudança está em conformidade com o Código de Trânsito Brasileiro e não coloca em risco a visibilidade do condutor e o domínio do veículo”, esclareceu Jacinto.

Ao todo, são 18 radares, entre fixos e móveis, que terão a incumbência de fotografar a placa do veículo, marcar a velocidade do automóvel, data, hora e o local exato onde a infração foi cometida.