Racha no PSDB se agrava por brigas entre Tasso e Serra

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado quarta-feira, 9 de janeiro de 2002 as 17:17, por: cdb

O presidente do PSDB, José Anibal, disse hoje que não foi conclusiva a reunião de líderes do partido, encerrada nesta tarde, para discutir o lançamento da candidatura do ministro da Saúde, José Serra, à Presidência da República. Segundo ele, haverá outras conversas até a semana que vem para a elaboração de um cronograma da estratégia do partido. “Serra ainda não é candidato. Ele vai ser candidato do PSDB e do Fernando Henrique (o presidente Fernando Henrique Cardoso) e nós vamos ganhar a eleição”.

José Aníbal procurou minimizar a crise que envolve o governador do Ceará, Tasso Jereissati. Segundo Anibal, ele também está participando dessas conversas. “Ele é um participante ativo”, afirmou.

O ministro das Comunicações, Pimenta da Veiga, também fez pouco da crise interna do partido com a ameaça de dissidência do governador do Ceará, Tasso Jereissati, que foi praticamente forçado a desistir de lançar sua pré-candidatura em favor de José Serra. Pimenta da Veiga limitou-se a afirmar que está tudo bem com o governador cearense, enquanto o ministro José Serra participou do almoço na residência do secretário-geral do PSDB, deputado Márcio Fortes (PSDB-TRJ), mas saiu do encontro sem fazer comentários.

Ontem, em uma reunião entre o presidente Fernando Henrique Cardoso e os governadores do Estados do nordeste para tratar da crise energética, Tasso e a governadora do Mararnhão, Roseana Sarney, não compareceram. Roseana, segundo a versão oficial, não compareceu porque a base energética do Estado do Maranhão esta, tecnicamente, na região Norte. Tasso preferiu dizer por meio de um fax que estaria reunido com o secretariado para tratar do orçamento para o próximo ano. Nenhum dos dois mandou representantes a reunião.

A crise no ninho tucano se intensificou desde que Tasso foi forçado a abandonar a pré-candidatura em favor do Ministro da Sáude. Nos últimos dias, a cúpula tucana aumentou os contatos para lançar Serra como candidato oficial do partido e surgiram rumores de que Tasso poderia criar uma dissidência dentro do partido e apoiar a candidata do PFL.

Hoje, o presidente da Câmara, Aécio Neves (PSDB-MG), vai jantar, às 20 horas, com o presidente Fernando Henrique Cardoso, no Palácio da Alvorada, segundo a assessoria do deputado.

O clima entre os líderes tucanos ficou mais tenso a partir de hoje, com a revelação, no jornal Correio Braziliense, de uma áspera discussão ocorrida em meados de dezembro entre Jereissati e o ministro da Justiça, Aloysio Nunes Ferreira, em jantar no Palácio da Alvorada. Segundo o jornal, na discussão, Tasso acusava o Aloysio de ”molecagem”, ”canalhice” e ”sujeira”, por divulgar notas contra sua candidatura. Também segundo o jornal as ofensas foram maiores que as divulgadas e somente não se consumou em briga porque o governador do Pará, Almir Gabriel interveio. Em função disso, alguns líderes do PSDB têm procurado conversar com o governador do Ceará, na tentativa de evitar que ele comande um racha no partido que comprometa a candidatura de Serra.

No final da reunião de hoje, Anibal disse também que já está superado o episódio que veio da áspera discussão entre Tasso e Aloysio. “A amargura e mágoa não movem ninguém no sentido de construir e o governador Tasso é um construtor. Construiu o novo Estado do Ceará no decorrer de três mandatos como governador”, ressaltou. Aníbal disse também que o ministro da Justiça assumiu uma postura de não comentar o assunto nem em público e nem reservadamente.