Queda de helicóptero gera controvérsia entre Talebã e tropas norte-americanas

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado sábado, 20 de outubro de 2001 as 15:39, por: cdb

O Pentágono anunciou no final da noite desta sexta-feira que dois militares norte-americanos morreram em desastre de helicóptero no Paquistão, tornando-se as primeiras baixas dos Estados Unidos desde o início das operações contra a organização terrorista Al Qaeda e o regime do Talebã, no poder no Afeganistão. Embora o Pentágono afirme que a queda da aeronava foi um acidente, oficiais do Talebã garantem que o helicóptero foi derrubado por um de seus mísseis terra-ar.

Fontes do Pentágono que o helicóptero acidentado não estava entre os que participaram das ações de comando iniciadas nesta sexta-feira em território afegão.

O helicóptero acidentado fazia parte de um grupo de apoio, colocado de prontidão no Paquistão, caso fosse necessário ir ao território afegão para alguma operação de busca e resgate.

O Pentágono não revelou as indentidades dos militares motos, nem deu informações sobre o tipo de helicóptero e a unidade a que pertencia.

Talebã reivindica queda de aeronave

O ministro da Educação do Talebã, Amir Khan Muttaqi, disse à agência Reuters que vários helicópteros americanos transportando tropas especiais aterrissaram na montanha de Baba Sahib.

Mas, segundo ele, “o Talebã foi até lá e forçou-os a fugir, atirando contra eles”.

Em um incidente separado, o Pentágono confirmou as primeiras baixas americanas na guerra. Um helicóptero se acidentou no Paquistão, matando duas pessoas.

Segundo o Pentágono, o helicóptero estava no espaço aéreo paquistanês e estaria pronto para uma operação de resgate, caso as forças especiais precisassem. Mas um oficial do Talebã disse que o helicóptero foi atingido por tropas da milícia, segundo a agência Islamic Afghan Press (IAP)

Bush lamenta

O presidente George W. Bush foi informado das duas baixas antes de deixar seu hotel em Xangai, na China, para paticipar da conferência de países asiáticos e do Pacífico.

O chefe de Estado norte-americano, falando pouco depois à imprensa, mostrou-se abatido e ressaltou que lamentava muito as duas mortes, mas estava convencido de que os dois militares não sacrificaram “suas vidas em vão”.

Bush lembrou a corajosa atitude tomada por passageiros do vôo 93 reagindo ao seqüestro, à custa de suas próprias vidas, porém impedindo com isso que o avião chegasse a Washington e causasse ainda mais mortes.

O presidente acreditar que o povo norte-americano está ciente de que esta guerra contra o terrorismo não será fácil, nem rápida, mas é fundamental para pôr fim a um mal que ameaça a humanidade.