Putin diz que Rússia pode endurecer em relação ao Iraque

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado terça-feira, 28 de janeiro de 2003 as 15:39, por: cdb

O presidente russo, Vladimir Putin, disse que pode endurecer sua postura em relação ao Iraque depois de analisar o relatório do inspetor-chefe de armas da ONU (Organização das Nações Unidas), Hans Blix.

A Rússia vinha defendendo uma saída diplomática para a crise, mas o documento, que criticou a cooperação do Iraque no processo de desarmamento, teria influenciado a opinião de Putin.

“Se o Iraque começar a criar problemas para os inspetores, então a Rússia pode mudar a sua posição e concordar com os Estados Unidos sobre novas e mais duras ações do Conselho de Segurança da ONU”, afirmou Putin, em visita à Ucrânia.

No entanto, Putin ressaltou a necessidade de qualquer iniciativa contra o Iraque ser aprovada pelo Conselho de Segurança, em que a Rússia tem poder de veto.

Respeito à ONU

O respeito à ONU seria “um assunto até mais importante que o Iraque”, segundo o presidente russo.

O governo britânico voltou a dizer que o “tempo do Iraque se esgotou”.

O assunto deve ser a tônica também do discurso Estado da União do presidente americano, George W. Bush, previsto para às 21h00 de Washington (meia noite em Brasília).

No entanto, o porta-voz do presidente, Ari Fleischer, garantiu que Bush “não vai dar um prazo, não se vai ouvir uma declaração de guerra”.

Iraque

O vice-primeiro-ministro iraquiano, Tariq Aziz, insistiu que o Iraque está cooperando com a ONU, mas prometeu colaborar ainda mais.

Aziz afirmou também que um ataque iraquiano ao Kuwait não pode ser descartado em caso de guerra.

“Se o ataque vier do Kuwait, não posso dizer que não vamos retaliar”, disse Aziz. “Claro que retaliaremos as tropas americanas onde quer que as agressões contra o Iraque sejam iniciadas. Isso é legítimo.”

O Conselho de Segurança da ONU discutirá na quarta-feira qual será o próximo passo em relação ao Iraque.

Os Estados Unidos e seus aliados britânicos já afirmaram estar prontos para atacar ainda que a ONU não lhes dê o aval.