PT quer aprovar projeto sobre gastos com educação

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado segunda-feira, 19 de novembro de 2001 as 09:01, por: cdb

A decisão pode agravar a crise entre a bancada e o partido. ‘Se é para votar a favor do projeto ou ser expulso, prefiro ser expulso’, disse Carlos Giannazi.

O projeto de Marta prevê a inclusão de gastos com os programas Renda Mínima e Bolsa Trabalho e também a compra de uniformes escolares na verba de educação. Os custos com inativos também serão incluídos nos 30% das receitas destinadas ao setor.

A Executiva do PT convocará uma reunião do diretório municipal do partido, quando será fechada questão sobre o tema e a bancada será ‘orientada’. A data da reunião pode ser definida em reunião da Executiva amanhã.

No dia 21 de outubro, quando tomou posse a nova Executiva do PT em São Paulo, o partido decidiu apoiar o projeto de Marta, mas consentiu em abrir debates.

Pelos menos dois vereadores -Giannazi e Beto Custódio- já anunciaram que não votarão a favor do projeto e outros cinco criticam a proposta nos bastidores. A bancada tem 16 integrantes.

Giannazi disse que não vai seguir a ordem do partido, mesmo podendo ser punido (de advertência a expulsão). ‘Votar a favor é jogar na lata de lixo toda a luta do PT em favor da educação’.

O líder do governo, José Mentor (PT), disse que o partido tomou uma decisão no encontro do dia 21 e que é ‘normal’ que a bancada siga essa posição, sob pena da aplicação de punições.

Procurado desde quinta-feira, o presidente municipal do PT, Ítalo Cardoso, eleito com apoio da prefeita, não foi encontrado. Na última quarta, ele discutiu em plenário com Giannazi e disse que o partido fechou questão a favor do projeto. O líder da bancada, Carlos Neder, diz que a posição dos vereadores será definida amanhã.