PT opta por não encaminhar pedido de abertura de processo contra ACM

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado terça-feira, 11 de março de 2003 as 11:35, por: cdb

A bancada do PT no Senado decidiu nesta terça-feira, em reunião com o presidente do partido, José Genoíno, não encaminhar representação ao Conselho de Ética pedindo a abertura de processo contra o senador Antônio Carlos Magalhães por quebra de decoro parlamentar. O senador é suspeito de envolvimento no grampo telefônico da Bahia.

O PT preferiu não agir isoladamente e vai insistir na próxima quinta-feira, junto ao Conselho de Ética, para que sejam abertas investigações preliminares, paralelamente ao inquérito em curso na Polícia Federal.

O líder do PT no Senado, João Viana, disse após a reunião da bancada que o recurso feito pelo PT para que o Conselho investigue é “imperativo”. “O conselho tem o dever de investigar as denúncias imediatamente”, afirmou Viana, ressaltando que uma postura do PT pedindo a abertura do processo contra ACM, sem as investigações preliminares, seria “arbitrário”, além de não ser uma tradição do partido.

Presidência do Conselho de Ética

Em relação à manutenção do senador Juvêncio da Fonseca (PMDB-MS) à frente do Conselho de Ética, o PT decidiu analisar o assunto com o PMDB.

O PT está insatisfeito com a condução dos trabalhos do conselho. João Viana deixou claro que o partido deseja que o colegiado seja presidido por um senador que atue com imparcialidade e sobriedade, e que isso o PT espera da parte de Juvêncio da Fonseca.

Para a recondução de Juvêncio na presidência será preciso um acordo entre os partidos que compõem o Conselho de Ética.