PT e Governo consideram encerrado episódio que envolveu Benedita

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado sábado, 18 de outubro de 2003 as 19:30, por: cdb

O governo e o PT consideram encerrado o episódio envolvendo a ministra da Assistência Social, Benedita da Silva, que pressionada, decidiu devolver em juízo os recursos decorrentes de sua viagem à Argentina.

O secretário particular do presidente Luiz Inácio Lula da Silva, Gilberto Carvalho, disse neste sábado, ao deixar o Palácio da Alvorada, onde se reuniu com Lula, que o importante agora é que a ministra possa tocar sua vida adiante.

– Nós estamos juntos com a ministra, apoiando a retomada normal do trabalho dela no ministério – afirmou ele, ressaltando que, para o governo, esse assunto está encerrado.

Na mesma linha, o presidente do PT, José Genoíno, elogiou a atitude de Benedita da Silva. “Essa posição aumenta o prestígio dela no partido”, afirmou Genoíno, preferindo não especular sobre os reflexos do episódio numa reforma ministerial.

Antes de anunciar a decisão de reembolsar os cofres públicos dos gastos com a viagem, Benedita conversou com Genoíno que já havia defendido essa postura, reiterou sua opinião. A ministra disse, segundo relato de Genoíno, que “estava pensando” em acatar a solução do Conselho de Ética.

– O assunto está encerrado e, ao devolver o dinheiro, Benedita agiu em respeito ao governo e ao PT. Ela merece toda a nossa confiança e respeito – afirmou Genoíno. Além de Genoíno, Benedita conversou também com outros dirigentes do PT e parlamentares petistas do Rio de Janeiro.

Benedita viajou no dia 25 de setembro passado para Buenos Aires, onde participou de um encontro religioso no próprio hotel onde estava hospedada.

O encontro com a ministra do Desenvolvimento Social, Alícia Kichner, só ocorreu no final do dia, uma hora antes de embarcar de volta ao Brasil. A suspeita é que a viagem teria apenas caráter pessoal, mas as passagens e diárias foram pagas com dinheiro de seu ministério.

Ontem, Gilberto Carvalho anunciou a participação, via teleconferência, do presidente do Banco Mundial, James Wolfensohn, no lançamento da política de unificação das ações sociais do governo, que deverá ter a presença de Benedita. O envolvimento do Banco Mundial, segundo o secretário, vai dar um salto de qualidade no programa social do governo.