Protestos contra Bush mobilizam o país

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado quinta-feira, 8 de março de 2007 as 10:58, por: cdb

A visita do presidente norte-americano, George W. Bush, ao Brasil, nesta sexta-feira, é motivo para uma série de protestos, nas maiores capitais do país. Em São Paulo, nesta quinta-feira, a organização ambientalista Greenpeace organizou um movimento de repúdio à presença de Bush. No Rio, nestas quinta e sexta-feiras, partidos de oposição como o PSol, o PDT, o PCdoB e o PCB, entre outros, realizarão panfletagens e comícios nos principais pontos da cidade.

A manifestação do Greenpeace será no Monumento às Bandeiras, no Ibirapuera. Segundo a assessoria do Greenpeace, o objetivo da manifestação é reivindicar que, durante o encontro do presidente Luiz Inácio Lula da Silva com Bush, não seja debatida apenas a questão do etanol, mas outras medidas eficazes e metas para reduzir as emissões de gases estufa nos dois países. Além de estender faixas de protesto, os ativistas do Greenpeace irão ocupar, durante a manifestação, o barco do Monumento às Bandeiras com pessoas representando refugiados climáticos.

A programação de rua do PSol começou nesta quinta-feira, com uma homenagem às mulheres, no dia dedicado a elas. À tarde, no Buraco do Lume, o ato feminista se transformou em passeata anti-bush, com a distribuição de panfletos.

Ainda nesta quinta-feira, outras cerca de 50 organizações da Coordenação dos Movimentos Sociais (CMS) organizam ato contra “a política imperlialista e armamentista do presidente Bush”, em São Paulo. O eixo central das manifestações é “Fora Bush e sua política do Brasil e da América Latina”.

Protestos no Aeroporto

Prefeito da capital paulistana, Gilberto Kassab recebe, no Aeroporto Internacional Governador André Franco Montoro, na noite desta quinta-feira, o presidente Bush, em sua chegada a São Paulo. Esta será a primeira visita do presidente norte-americano à cidade. Em novembro de 2005, Bush esteve em Brasília, onde permaneceu por um dia, e, na seqüência, seguiu viagem para o Panamá.

A ocasião será marcada também por protestos de grupos políticos e ambientalistas, que discordam da posição norte-americana em relação ao Iraque, à posição dos EUA diante do Tratado de Quioto e da política segregacionista daquele país na Base de Guantánamo, em Cuba. A Polícia Militar paulista foi acionada para manter os manifestantes fora da área do aeroporto, temendo pela segurança do norte-americano.

Reação no Parlamento

Um grupo de 13 deputadas do PCdoB, PSB, PPS, PT e P-SOL protestou no Salão Verde da Câmara contra a visita do presidente norte-americano, George W. Bush. Os parlamentares carregavam uma faixa com os dizeres Bush não é bem-vindo e um cartaz afirmando “Não ao Senhor da Guerra”.

Durante o ato, a deputada Luciana Genro (P-SOL-RS) afirmou que Bush é o senhor da opressão aos povos latino-americanos. A parlamentar já havia proposto moção de repúdio à visita do presidente norte-americano. Queremos reafirmar nosso compromisso com a defesa da soberania nacional, afirmou a parlamentar gaúcha.

Revolta no exterior

Cerca de 2 mil estudantes, sindicalistas e outros manifestantes ocuparam parcialmente o centro de Bogotá na quarta-feira, três dias antes da chegada do presidente dos EUA à Colômbia.

– Estamos protestando contra a visita de Bush e contra como (o presidente) Álvaro Uribe ficou de joelhos diante do império dos EUA – disse o parlamentar oposicionista Wilson Borja durante a manifestação.

Em entrevista à rede de TV Univisión, Bush disse não ficar nem surpreso nem aborrecido com os protestos nos países que visitará.

– Fico orgulhoso por ir a uma parte do mundo onde as pessoas podem se manifestar, onde as pessoas podem expressar suas idéias – declarou.