Prostituição brasileira ganha mapa que identifica a rota do tráfico de mulheres

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado quarta-feira, 29 de outubro de 2003 as 02:07, por: cdb

Existem no Brasil 241 rotas de tráfico de mulheres e meninas que são usadas para a prostituição no País e em todo o mundo. A informação foi dada pela promotora de Justiça do Ministério Público do Distrito Federal, Andrea Cirineo Sacco, durante um seminário internacional na Suíça, promovido para debater o crime organizado.

Segundo ela, os dados são de um estudo realizado pelo Ministério da Justiça e por organizações não-governamentais. A promotora explicou que, dessas rotas, 131 são usadas para levar mulheres do Brasil para o exterior.
 
– Os destinos são inúmeros, mas a liderança é da Espanha – afirmou.

Estima-se que 32 rotas estejam sendo usadas por traficantes para chegar ao território espanhol. A Holanda é o segundo maior destino das brasileiras e 11 rotas estão em funcionamento para aquele país.
 
Na Suíça, onde vivem 6 mil mulheres brasileiras, a quantidade de pessoas vítimas do tráfico cresce a cada ano. De cada três brasileiras vivendo no país, duas já são prostitutas.

Mas nem sempre as brasileiras são ‘exportadas’ diretamente aos países europeus. Algumas rotas passam pela Venezuela e Suriname. Por isso, as cidades de Manaus e Oiapoque são usadas como ‘portos de exportação’ pelos aliciadores.
 
Outra cidade que acaba se tornando centro do tráfico é Cáceres (MT). No País, o maior número de rotas identificadas está no Norte, com 76 esquemas de tráfico de mulheres. A região representa 31% de todo o tráfico que ocorre no Brasil. O Sudeste com 35 rotas, vem em segundo lugar, seguido pelo Centro-Oeste, com 33.