Proprietária de laboratório é indiciada por falsificação

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado terça-feira, 22 de julho de 2003 as 20:53, por: cdb

Gildenice Mendes de Oliveira foi indiciada pela Polícia Federal de Campinas por crime de falsificação e adulteração de produtos para fins terapêuticos e medicinais, artigo 273 do Código Penal.

Ela é uma das proprietárias do Lens Surgical Laboratório, sediado em Campinas, que produziu o Methyl Lens Hypac, suspeito de ter causado cegueira em pacientes de catarata operados no Rio de Janeiro.

O Methyl Lens não tinha registro na Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) e foi comercializado irregularmente. A relação entre quatro empresas que produziram medicamentos oftalmológicos irregulares em Campinas foi comprovada à Polícia Federal pela própria Gildenice.

O advogado da empresária, João Daniel Júnior, apresentou documentação à Polícia Federal que comprova que Gildenice foi sócia da H.E.J. Cosméticos, For Eyes Oftalmologia, Oftálmica Campinas e Lens Surgical Laboratório.

Todas as empresas, conforme Daniel Júnior, funcionaram sob o guarda-chuva da H.E.J. e utilizaram o mesmo registro no Ministério da Saúde, concedido para a produção de xampus, para produzir os medicamentos oftalmológicos, que o advogado prefere chamar de correlatos.

– Não eram medicamentos porque não curavam – disse.

O advogado alegou ainda que Gildenice não sabia que não podia utilizar o registro do xampu para fabricar “correlatos”.