Projeto Rio de Janeiro em Mapas será lançado segunda-feira

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado quarta-feira, 29 de outubro de 2003 as 17:26, por: cdb

A Fundação Carlos Chagas Filho de Amparo à Pesquisa do Estado do Rio de Janeiro (Faperj) lança nesta segunda-feira o projeto Rio de Janeiro em Mapas, cuja proposta é destacar os principais logradouros e construções de interesse arquitetônico e histórico da Capital e de cidades do interior do Estado.

A primeira fase do projeto é dedicada ao Centro da cidade do Rio de Janeiro. Um mapa, pintado pelo artista plástico Jorge de Salles, e um catálogo com informações sobre construções, instituições e monumentos localizados no Centro serão apresentados ao público.

A escolha do Centro da Capital para dar início ao Rio de Janeiro em Mapas deve-se ao fato de as suas ruas terem servido de cenário para episódios de destaque na história nacional, desde o Brasil Colônia, até os dias de hoje, passando pelo período em que o Rio foi a capital do país, entre 1763 a 1960.

A proposta do projeto é destacar outros bairros e cidades fluminenses de interesse histórico, produzindo mapas desses locais e catálogos com informações como a localização de logradouros e de instituições culturais, seus acervos e horários de visitação.

Agência de fomento à pesquisa vinculada à Secretaria estadual de Ciência, Tecnologia e Inovação, a Faperj, ao contribuir para a realização dessa exposição e do projeto Rio de Janeiro em Mapas, demonstra que a preservação e a divulgação da memória cultural e arquitetônica também fazem parte da sua missão de estimular a ciência no Estado.

A apresentação do mapa e do catálogo do Centro do Rio será feita durante a vernissage da exposição de aquarelas de Jorge de Salles, que a Faperj vai promover, em 3 de novembro, às 9h30, no Espaço Cultural Cedim.

A mostra ficará em cartaz até 12 de novembro, de segunda à sexta-feira, das 12h às 19h. A entrada é franca.

Para mostrar alguns recantos do Centro do Rio, Jorge de Salles preparou 13 aquarelas, divididas em três séries, que expressam a alma da cidade.

Em uma delas, o artista faz uma volta no tempo e, por meio de um passeio de bonde, retrata o Largo de São Francisco, a fachada das igrejas, o Arco do Telles e uma das torres do antigo mercado da Praça XV, onde hoje funciona o Restaurante Albamar.