Programa do Instituto do Milênio tem recurso de R$ 90 milhões

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado quarta-feira, 2 de fevereiro de 2005 as 14:19, por: cdb

O ministro da Ciência e Tecnologia, Eduardo Campos, e o presidente do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq), Erney Camargo, lançaram nesta quarta-feira, o edital 2005-2008 do Programa Institutos do Milênio. O programa prevê investimentos da ordem de R$ 90 milhões para os próximos três anos, destinados a redes de pesquisa com excelência reconhecida. O recurso deve começar a ser repassado no segundo semestre.

Os grupos interessados poderam submeter projetos em duas modalidades em áreas abertas e induzidas. Na primeira é livre às redes de pesquisadores a escolha do tema, em qualquer área do conhecimento, já na segunda os temas são estipulados pelo MCT, considerados de interesse estratégico nacional como nanotecnologia, energia nuclear, biodiversidade amazônica e transgênicos, alguns dos 19 temas proposto pelo edital.

Para Eduardo Campos, o repasse dos recursos dá continuidade a um esforço de qualificação do sistema de ciência e tecnologia e institutos de ponta do sistema nacional.

– Um esforço iniciado nos anos 80 e que, pela prioridade que o governo Lula tem dado a questão da tecnologia e inovação do país, nós priorizamos o lançamento desses novos editais. Acho que é uma oportunidade de reforçar uma aliança entre os objetivos nacionais, a inteligência brasileira e os institutos de pesquisa, que demonstram qualificação com referência internacional no Brasil – ressalta.

Os grupos de pesquisa têm até 30 de abril para apresentar as propostas, que serão avaliadas por uma comissão designada pelo MCT. O resultado da avaliação está previsto para o final de junho. De acordo com o edital cada grupo aprovado poderá receber financiamentos que vão desde R$ 500 mil a R$ 2 milhões anuais.

Campos reafirmo o compromisso com as políticas de crescimento.

– Estimular a pesquisa é fundamental e estratégico para assegurar o processo de crescimento inaugurado no ano passado. Investimentos nas áreas de ciência básica suportando um processo de inovação com novos mecanismos de financiamento, para nós é fundamental para assegurar o crescimento e dar qualidade a ele – disse o ministro.

Para o presidente do CNPq, Erney Camargo, o edital é muito importante para o desenvolvimento cientifico do país.

– Ele envolve projetos de demanda espontânea da comunidade, quer dizer, são intenções da comunidade de produzir pesquisa num determinado seguimento e projetos que são induzidos pela pesquisa cientifica e desenvolvimento tecnológica do governo. Então, é um modelo de investimento extremamente interessante que privilegia inclusive grupos de excelência, que é um setor que precisa ser prestigiado no cenário da ciência brasileira.

O edital é aberto ainda a projetos da comunidade em outras 17 áreas que vão desde a ciência sociais, ciências básicas, passando por áreas que têm interface com a política industrial.