Produtividade industrial cresce 5,3%

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado terça-feira, 25 de janeiro de 2005 as 16:26, por: cdb

A produtividade da indústria cresceu em 2004, após três anos de estagnação. A constatação é do boletim Notas Econômicas, divulgado pela Confederação Nacional da Indústria (CNI). Na comparação entre os resultados registrados entre janeiro e novembro de 2004 e o mesmo período de 2003, a produtividade cresceu 5,3%, considerando a relação entre a produção e o pessoal ocupado. A entidade destaca que, apesar de ser significativo, o aumento verificado no ano passado foi motivado, principalmente, pela retomada da atividade doméstica, já que o Brasil, diferentemente de muitos de seus parceiros do comércio mundial, passou por uma desaceleração no início da década atual, em virtude de crises internas, como a de energia elétrica.

O boletim destaca que parte do “ótimo” desempenho comercial do País foi motivada pelo relativo ganho de competitividade acumulado nos anos 90, sobretudo nos primeiros cinco anos da década passada. Ressalta também que a forte desvalorização do real frente ao dólar, em 2002, teve papel decisivo para compensar a estagnação industrial brasileira entre 2000 e 2003.

– Para os próximos anos, contudo, a história poderá ser bem diferente. O real voltou a se valorizar – sobretudo em 2004 – e, caso a produtividade não volte a crescer de maneira forte, a perda de competitividade da economia brasileira se fará sentir de maneira clara no desempenho exportador do País –  salienta a CNI.

A entidade lembra que as recentes sondagens industriais revelam que os empresários planejam aumentar o investimento, mas que esse movimento ainda não está consolidado, assim como o crescimento doméstico.

– A continuidade do crescimento econômico depende da intensificação do processo de aumento da produtividade que, por sua vez, depende da retomada do investimento. Faz-se importante, assim, a construção de um ambiente favorável ao investimento, sobretudo àquele voltado para inovação de produto e de processo – avalia a CNI.