Queda na produção de alimentos faz índice da indústria declinar

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado quarta-feira, 5 de janeiro de 2011 as 08:05, por: cdb
Produção Industrial
As montadoras também reduziram o ritmo de produção

A produção industrial brasileira caiu 0,1% em novembro de 2010, em relação ao mês anterior. O resultado foi divulgado nesta quarta-feira, pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Entre os segmentos industriais, o maior recuo foi percebido nos bens de consumo duráveis, que tiveram uma queda de 0,7% no período.

A produção de bens de consumo semiduráveis e não duráveis caiu 0,5%. Já a de bens de capital cresceu 3,2% e a de bens intermediários, 1,0%. Na comparação entre novembro de 2010 e novembro de 2009, a produção industrial cresceu 5,3%, a 13ª alta consecutiva neste tipo de análise. De janeiro a novembro de 2010, o crescimento foi de 11,1%. No acumulado dos 12 meses, houve um aumento de 11,7% e, no trimestre móvel, de 0,1%.

Alimentos

Analistas consultados pela agência inglesa de notícias Reuters projetavam alta mês a mês de 0,2% – com faixa de previsões de queda de 0,8% a alta de 0,8% – e avanço anual de 4,75%, com estimativas entre 4,2% e 6,1%. Na comparação mensal, 12 setores tiveram queda da produção, 14 cresceram e um ficou estável.

O principal segmento negativo foi Alimentos, com baixa de 2,1%, a terceira consecutiva, seguido por Máquinas e equipamentos, com declínio de 1,1%. As altas mais expressivas que mais se destacaram foram Refino de petróleo e produção de álcool (3%) e Máquinas, aparelhos e materiais elétricos (7,2%).

Entre as categorias de uso, em novembro sobre outubro a atividade de bens de consumo duráveis caiu 0,7% e a de bens de consumo semi e não duráveis recuou 0,5%, enquanto a produção de bens de capital e a de bens intermediários registraram crescimento, de, respectivamente, 3,2 e 1,0%.

Em relação a novembro de 2009, 24 dos 27 setores tiveram aumento da produção, destacando-se Veículos automotores (14,2%) e Indústrias extrativas (11,5%).
Nas categorias de uso, a produção de bens de capital teve a maior alta, de 9%, seguida por bens intermediários (5,8%), bens de consumo duráveis (4,6%) e bens de consumo semi e não duráveis (3,1%).

No ano até novembro, a produção industrial brasileira acumulou crescimento de 11,1%. A média móvel trimestral teve alta de 0,1% em novembro.