Produção industrial é a maior em 18 anos

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado quinta-feira, 10 de fevereiro de 2005 as 10:40, por: cdb

A produção industrial brasileira encerrou 2004 com crescimento de 8,3%, a melhor taxa desde 1986, informou o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) nesta quinta-feira. A taxa segue a expansão de 0,1% em 2003 e a de 2,7% em 2002.

Em dezembro, a alta foi de 0,6% sobre novembro. O dado de novembro foi revisado de queda de 0,4% para alta de 0,3%, e o de outubro foi revisto de estabilidade para avanço de 0,2% ante setembro.

Em relação a dezembro de 2003, a produção avançou 8,3%, no 16º mês de avanço na comparação anual. Analistas previam em média uma expansão de 1,3% mês a mês e de 9,6% contra dezembro de 2003.

Sobre novembro, a produção de bens de capital subiu 1,6%, enquanto a de bens de consumo duráveis cresceu 2,9%, a de bens semiduráveis e não duráveis elevou-se em 3,4% – a maior taxa de 2004 – e a de bens intermediários, 1,2%.

Destacaram-se os setores de refino de petróleo e produção de álcool e o de produtos de metal (alta de 7,6% cada contra novembro), alimentos (de 1,2%) e veículos automotores (1,5%). Em relação a dezembro de 2003, a atividade de bens de capital subiu 12,3%, a de bens de consumo duráveis cresceu 17%, a de bens intermediários elevou-se 7,5% e a de bens semiduráveis e não duráveis avançou 7,1%.

Entre as categorias de uso, o maior avanço foi de bens de consumo duráveis, de 21,8% contra 2003, devido ao aumento do consumo de automóveis, celulares e eletrodomésticos. A produção de bens de capital subiu 19,7% em 2004, a de bens intermediários aumentou 7,4% e a de consumo semiduráveis e não duráveis cresceu 4%, revertendo a queda de 3,9% em 2003. Analistas previam em média uma expansão de 1,3% e de 9,6% contra dezembro de 2003.