Problemas envolvendo a base aliada são naturais e não preocupam o governo, diz Gilberto Carvalho

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado quarta-feira, 28 de março de 2012 as 14:31, por: cdb

Elaine Patricia Cruz
Repórter da Agência Brasil

São Paulo – O ministro da Secretaria-Geral da Presidência da República, Gilberto Carvalho, disse hoje (28), em São Paulo, que o governo considera natural os problemas envolvendo a base aliada que emperraram algumas votações, no Congresso Nacional. Para Carvalho, esse é um assunto que, no momento, não tem preocupado o governo.

“Consideramos muito natural tudo isso. Aos poucos, vamos aprendendo a ter muita serenidade para lidar. A democracia é assim mesmo. É um jogo que exige muita paciência, tranquilidade e objetividade. Esse não é um assunto que nos incomoda, particularmente, nesse momento. Estamos mais preocupados em fazer a máquina do governo rodar com mais velocidade”, disse.

Segundo ele, a Lei Geral da Copa deve ser votada na semana que vem. Quanto ao Código Florestal, Carvalho disse que a preocupação do governo não se refere somente à votação do Código Florestal. “Nosso cuidado é que o Código não seja apenas votado. Queremos que ele seja votado com a melhor qualidade possível, de modo que a presidenta [Dilma Rousseff] não precise fazer vetos”, declarou.

Para o ministro, a aprovação do Código Florestal vai exigir diálogo para que seja “construída uma síntese que seja reflexo da sociedade brasileira e não apenas a visão de um ou de outro”. “Não queremos ter vitoriosos e derrotados. Precisamos ter uma síntese adequada”, ressaltou.

Carvalho também disse que conversou hoje, por telefone, com o ex-presidente da República Luiz Inácio Lula da Silva e ambos comemoraram o resultado dos exames que o ex-presidente fez no Hospital Sírio-Libanês, em São Paulo, que não diagnosticaram a presença de tumores. “Ele me ligou por volta das 11h30 dando a belíssima notícia e dizendo que era o melhor dia da vida dele, e que os exames deram que havia desaparecido o tumor. E que estava pronto para a luta”, disse.

 

Edição: Aécio Amado