Previsão de IPCA sugere aumento de juro

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado quarta-feira, 22 de dezembro de 2010 as 10:59, por: cdb

O Banco Central disse que o distanciamento das projeções de inflação, tanto da autoridade monetária quanto do mercado, do centro da meta pode requerer um aumento de juro no curto prazo.

O mercado leu os comentários, feitos no Relatório de Inflação do quarto trimestre, como um sinal de que um aumento da Selic pode acontecer já em janeiro.

No documento, o BC elevou sua previsão para a inflação brasileira em 2011 para 5,0%, ante 4,6% antes.

A estimativa para a alta do Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) neste ano passou para 5,9%, contra 5% no trimestre anterior.

A meta de inflação dos dois anos tem centro em 4,5% e tolerância de 2 pontos percentuais para cima ou para baixo.

– O Copom avalia que o balanço de riscos associado ao cenário prospectivo para a inflação evoluiu desfavoravelmente desde a divulgação do último relatório. Tanto no cenário de referência (do BC), quanto no cenário de mercado, as projeções incorporam os efeitos estimados da recente elevação dos compulsórios e de um esforço fiscal. Ainda assim, nos dois casos, os valores projetados se posicionam acima da meta –, afirmou o documento.

– É importante destacar que, no regime de metas para a inflação, desvios em relação à meta, na magnitude dos implícitos nessas projeções, sugerem necessidade de implementação, no curto prazo, de ajuste na taxa básica de juros, de forma a conter o descompasso entre o ritmo de expansão da demanda doméstica e a capacidade produtiva da economia, bem como de reforçar a ancoragem das expectativas de inflação.

Essa foi a frase de destaque do relatório, segundo os analistas, e sinaliza que o BC está dando ao mercado o recado de que a Selic vai subir, e logo. 

– Ele deixou bem explícito que deve aumentar o juro no curto prazo e acho que deixou uma indicação clara de que seria em janeiro. A estimativa dos efeitos das políticas macroprudenciais esperados já estão incorporados nas projeções e mesmo assim, a (previsão de) inflação segue acima (do centro) da meta –, disse Silvio Campos Neto, economista-chefe do Banco Schahin.

A Selic está atualmente em 10,75%. Até agora, a maior parte do mercado vinha trabalhando com uma elevação em 2011, mas sem consenso sobre quando.

Depois da adoção das medidas prudenciais, em dezembro, com aumento do depósito compulsório e encarecimento do crédito à pessoa física de longo prazo, alguns analistas passaram a prever um aumento em março, enquanto outros mantiveram a projeção para janeiro. Nesta manhã, alguns já começaram a voltar o cenário para janeiro.

O BC também notou que persistem riscos de descompasso entre crescimento da absorção doméstica e capacidade da expansão da oferta.

Para o Produto Interno Bruto (PIB), o BC manteve sua previsão de expansão em 2010 de 7,3%. Para 2011, o BC fez sua primeira estimativa neste documento, de crescimento de 4,5%.